Procurar
Close this search box.

Schoenstatt
Apostolic Movement

João Pozzobon: novo secretariado na Costa Rica promove sua causa de beatificação

By: Paola Segura, Secretariado de Pastoral João Luiz Pozzobon na Costa Rica

Com alegria e gratidão compartilhamos com a Família Internacional de Schoenstatt que, em janeiro de 2022, foi aberta o Secretariado de Pastoral João Pozzobon na Costa Rica.

Seu principal objetivo é promover e divulgar a vida e a obra do Servo de Deus João Luiz Pozzobon, a fim de ser um apoio vital para sua causa de beatificação. Através do Secretariado, testemunhos, petições e orações dos fiéis locais são bem-vindos para contribuir para a causa de sua canonização.

O processo de beatificação do diácono permanente João Luiz Pozzobon foi aberto em 12 de dezembro de 1994 na Arquidiocese de Santa Maria, Brasil. Foi enviado à Santa Sé em maio de 2009 e agora está nas mãos da Congregação para as Causas dos Santos no Vaticano.

Sr. João: eu me sentia como um aluno do Padre Kentenich

João Luiz Pozzobon nasceu em 12 de dezembro de 1904 em Ribeirão, no distrito de São João do Polênsine.  Filho de imigrantes italianos, João Pozzobon cresceu em uma família simples e piedosa, que rezava o terço todas as noites.  Aos 10 anos de idade, ele diz a seu pai que gostaria de se tornar um padre. Assim ele começa seus estudos no seminário dos Padres Palotinos em Valle Veneto, não muito longe de sua cidade natal.  Após cerca de 10 meses lá, ele decidiu voltar para casa, porque seu pai precisava dele para ajudá-lo no trabalho no campo. Sua família era pobre. Aos 14 anos de idade, ele começou a ter problemas de saúde. Embora ele fosse um homem forte, sua visão foi piorando progressivamente e ele não pôde continuar sua escolaridade. Pela mesma razão, ele é considerado inelegível para o serviço militar. Anos mais tarde, João diria sobre sua saúde: “Deus, em sua infinita bondade, não me considerava incapaz. Ele me usou como eu sou e me confiei a sua Mãe para a Campanha do Santo Terço. Ninguém é incapaz de servir a Deus”.

Em 1928 ele se casou com Tereza Turcato, com quem teve dois filhos. Ficou viúvo e casou-se com Vitória Filipetto em 1933, com quem teve cinco filhos. Ele deixou sua ocupação como fazendeiro para abrir uma pequena loja em frente à sua casa. Em 1930 ele se mudou para Santa Maria.

Foi em 1947 que sua vida cruzou o caminho do Movimento Apostólico de Schoenstatt. Ele participou de um dia de formação espiritual e também da bênção da pedra fundamental do Santuário de Schoenstatt em Santa Maria. O Pe. José Kentenich, fundador de Schoenstatt, esteve presente a esta cerimônia. Este evento o marcaria para sempre. Mais tarde, ele diria: “Senti-me como um aluno do Padre Kentenich”.

João selou sua Aliança de Amor com a Mãe de Deus em 11 de abril de 1948, dia da bênção do Santuário de Santa Maria.

Campanha da Mãe Peregrina de Schoenstatt: Um homem pode mover o mundo

Em setembro de 1950, João participa de uma série de palestras com uma centena de homens. Falam sobre a importância de rezar o terço e como incentivar uma cruzada de oração nas famílias. Em 10 de setembro de 1958, três réplicas da imagem da Mãe Três Vezes Admirável foram abençoadas no Santuário, e Ir. M. Teresinha confiou uma delas a João: “Esta imagem permanece aos seus cuidados. Não é necessário que você reze o terço todas as noites. Você só terá que cuidar que ela peregrine de casa em casa”.

João escreve mais tarde: “Quando algo vem de Deus, um homem pode mover o mundo. Eu disse a Nossa Senhora: ‘Tenho sete filhos e uma esposa, e sou responsável diante de Deus por meus filhos e minha esposa’. Mas se é a vontade de Deus e sua, um homem pode mover montanhas”. E tudo correu bem. Nos primeiros anos da Campanha, dediquei duas horas por dia do meu tempo à Mãe e Rainha. Quando as crianças eram mais velhas e podiam trabalhar na loja, eu me envolvi exclusivamente na Campanha. Se Deus quer que alguém seja ativo em uma tarefa, Ele também concede o tempo para dedicar à sua família”.

Missão evangelizadora popular

Secretaria

João começa a visitar escolas, hospitais e prisões na região. E sempre a pé, carregando a imagem, que pesava 11 quilos, em suas costas. Ele organiza “missões” nos povoados: ele leva a imagem da Virgem e as famílias se reúnem para rezar o terço. Ele prega o Evangelho, fala sobre conversão, pergunta sobre o estado material e espiritual das famílias e volta alguns dias depois com ajuda material e um padre para celebrar a missa, ouvir confissões, casar casais e batizar filhos. Graças à sua dedicação, muitas famílias retornam à Igreja, são organizadas peregrinações ao Santuário de Schoenstatt, a adoração eucarística é estabelecida em várias paróquias, capelas são construídas nos povoados.

Eventualmente, João não pode mais fazer visitas com a Mãe Peregrina por conta própria, então as Irmãs de Maria de Schoenstatt fazem cópias da Mãe Peregrina, mas em um tamanho menor para facilitar o transporte de outros voluntários.

Diácono permanente

Em 30 de dezembro de 1972, Pozzobon foi ordenado diácono permanente na Capela de Nossa Senhora das Graças, construída por ele em 1971. Nesta capela ele celebrava batismos, casamentos e todas as quintas-feiras ele se reunia com a comunidade para adorar o Santíssimo Sacramento. Na capela hoje há uma placa em um banco indicando onde o diácono rezava. Está localizado na Avenida Osvaldo Cruz, 609, no bairro Km 3. Desde então, o diácono João Pozzobon tem sido submetido a duros testes. No início, seu trabalho não é compreendido e ele é frequentemente criticado. Mas ele permaneceu obediente a seu bispo e a seu pároco.

Compromisso com os mais pobres

João fundou a “Vila Nobre da Caridade”, onde construiu casas para famílias pobres que viviam nas ruas: “Ali entendi o significado da Via Sacra, a aflição de Cristo que só podemos imaginar. O sofrimento de nossos irmãos e irmãs causado por aqueles que não fazem nenhum esforço para sacrificar-se pelos outros. Confio na Providência divina. Eu nunca fui um homem rico, mas sei que Deus não abandona aqueles que servem ao próximo”.

Então Pozzobon e um grupo de voluntários começam a distribuir roupas, alimentos e educação para o trabalho para o povo da Vila Nobre da Caridade. Eles plantam árvores frutíferas e flores. O objetivo deles é ajudar os pobres a ganhar dignidade e autoconfiança.

“Eu queria tanto mudar este mundo tão dominado pelo materialismo. Levar Jesus, levar sua mensagem e para que todos se tornem bons e amem seus irmãos e irmãs. Senti tanta força e alegria, e me coloquei à disposição da Mãe, aceitando todos os sacrifícios que ela me enviaria. Por amor a esta imagem sagrada, tive duas mil camas diferentes na escuridão da noite, entre os lírios dos campos e da floresta. Ela sempre me acompanhou em longas marchas, atravessando vales e rios, e quando eu me sentava na estrada dizendo-lhe: ‘Mãe, não posso mais continuar!’ Quando eu passava por humilhações e dificuldades, ela sempre me acompanhava. Por minhas próprias forças eu nunca poderia ter feito tudo isso.”

A última peregrinação

Em 15 de junho de 1985, no Santuário, João oferece sua vida para o crescimento da Campanha da Mãe Peregrina. Na manhã de 27 de junho de 1985, ele caminhava na beira da estrada em forte névoa para ir à missa no Santuário de Santa Maria, como fazia todas as manhãs, quando foi atropelado por um caminhão. Ele foi levado para o hospital, mas morreu lá.

João Pozzobon percorreu mais de 140.000 quilômetros com a imagem da Mãe Peregrina e realizou uma gigantesca missão evangelizadora popular em seus quase 40 anos de apostolado.  A Campanha da Mãe Peregrina de Schoenstatt, segundo o desejo de João Pozzobon, continua a crescer. Atualmente está presente em mais de 100 países, visitando milhões de famílias ao redor do mundo todos os meses.

Nas redes

Para colaborar na difusão do conhecimento de João Pozzobon e para receber testemunhos, petições e orações dos fiéis locais, que contribuem para a causa de sua canonização, o Secretariado está próxima de todos nas diferentes redes:

https://www.maeperegrina.org.br/noticias/maria-mae-e-rainha-tres-vezes-admiravel-de-schoenstatt/

Instamos os missionários, peregrinos da Campanha da Mãe Peregrina de Schoenstatt, todos diáconos permanentes e suas famílias, a darem a conhecer o processo de beatificação do Servo de Deus João Luiz Pozzobon e a intensificarem as orações.

Bibliografia: 

Héroe hoy, no mañana – Esteban Uriburu – Editorial Patris, Argentina 140.000 quilômetros caminhando com Nossa Senhora – Esteban Uriburu, Editorial Patris, Argentina. João Luiz Pozzobon, peregrino e missionário de Maria – Pe. Esteban Uriburu/ Mario Tubert, Editorial Patris, Argentina

Share

with your loved ones

Related articles that may interest you