Procurar
Close this search box.

Schoenstatt
Movimento Apostólico

Aliança de Amor

"Nada sem vós, MTA, nada sem nós"

Como tudo começou…

O ato de fundação de Schoenstatt, em 1914, é o momento em que o Pe. José Kentenich e a geração fundadora ofereceram seu esforço pela santidade e pediram a Maria que viesse habitar em sua capela, o Santuário de Schoenstatt, transformando-o em um lugar de peregrinação e seu berço de santidade. É desse ato original que brotam a vida, a identidade e a fecundidade de Schoenstatt.

100+

Anos de Aliança

A relação entre a Aliança de Amor e a vida de Schoenstatt é como a relação entre o batismo e a vida cristã.

100K+

Aliados felizes

Muros ou moinhos de vento?

“Quando as tempestades da mudança sopram sobre a terra, algumas pessoas constroem muros para se proteger e manter as tempestades afastadas, enquanto outras constroem moinhos de vento para gerar energia” (Provérbio chinês)

A aliança de amor é uma forma reconhecida de consagração mariana na Igreja.

Como a consagração do Sodalício Mariano, a consagração de São Luis de Montfort (Grignion) e outras formas de consagração marianas, ela consiste na entrega total de si mesmo a Maria. O Padre Kentenich caracterizou as consagrações marianas como uma troca total e mútua de corações, bens e interesses. Por meio dessa troca, a pessoa cresce em amor, em sua vida espiritual geral e na capacidade de cumprir sua missão. Na experiência católica, Maria provou ser uma excelente parceira de consagração, conduzindo pessoas, nações, comunidades e gerações a um fervor mais profundo de amor e compromisso com Cristo e com o Deus Trino.

A Aliança de Amor é um ato de consagração (individual ou comunitária) a Maria como Mãe Três Vezes Admirável de Schoenstatt. Ela gera um relacionamento mais profundo com Maria e nos dá plena participação na corrente de vida e de graças que se origina na Aliança de 1914 e que flui do Santuário. Cada novo membro ou grupo também contribui de maneira singular para a aliança original, melhorando-a e enriquecendo-a, ao mesmo tempo em que a aliança melhora e enriquece a vida de cada membro ou grupo em troca.

"Nada sem vós, MTA, nada sem nós"
A frase "Nada sem vós, nada sem nós" é frequentemente encontrada em um antepêndio (uma frente decorativa para a toalha do altar) no Santuário.

CRESCIMENTO NO AMOR, NA VIDA ESPIRITUAL GERAL E NA HABILIDADE DE CUMPRIR SUA MISSÃO

Essa tradição remonta a 1933 e é uma expressão da aliança de amor. O "nada sem vós" mostra a dependência de Schoenstatt da presença e da atividade de Maria no Santuário. O "nada sem nós" mostra a necessidade de nossa cooperação e esforço para que os termos pelos quais Maria foi convidada a vir morar em Schoenstatt sejam cumpridos.

Schoenstatt como um Movimento de ideias, de vida e de graças

O Pe. Kentenich falou de Schoenstatt como um movimento de ideias, vida e graça. A Aliança de Amor se relaciona com Schoenstatt em todos os três níveis. No nível das ideias, ela inspira um mundo coerente de pensamento e dá impulso ao estudo da aliança de Deus, da consagração mariana e das categorias para a compreensão de uma experiência vibrante de fé. No nível da vida, forma as características exteriores e interiores do que Schoenstatt é e faz. Em nível de graça, é a fonte de onde fluem as graças, não apenas para seus próprios membros, mas também para toda a Igreja.

A relação entre a Aliança de Amor e a vida de Schoenstatt é como a relação entre o batismo e a vida cristã. É um processo de vida, um desdobramento dinâmico de forças vitais iniciado pela ação do Espírito Santo e levado a cabo pela cooperação de instrumentos humanos. Sua origem é uma injeção do divino que cria raízes e cresce. À medida que se desenvolve, ela adquire uma identidade única e atinge todas as áreas da vida, tanto naturais quanto sobrenaturais. As ideias desempenham um papel no desenvolvimento desse processo de vida, mas (diferentemente de uma ideologia ou filosofia) não são a principal fonte de vitalidade. Esta está muito mais profunda, no âmago da pessoa humana, que é completamente penetrada e animada pela ação de Deus manifestada em sua vida.

A relação entre a Aliança de Amor e a vida de Schoenstatt como movimento é visível em sua história, que é, em essência, a história do desenvolvimento da Aliança de Amor. Também é visível na vida de cada membro que faz a aliança de amor; essa aliança pessoal enriquece tanto o indivíduo quanto a comunidade. Também é visível na vida de cada grupo e comunidade, cada um dos quais prova um diálogo único de amor e vida entre o compromisso do movimento como um todo e a vida particular de um determinado grupo de membros.

A Aliança de Amor molda Schoenstatt de muitas maneiras. Forma sua organização e estrutura, colocando um forte acento em ser uma família de Maria em torno do Santuário, tornando-a uma comunidade confederativa, ou seja, uma “família de famílias” que busca sua unidade na relação de aliança com a MTA. Ela forma sua espiritualidade e pedagogia, resultando em uma abordagem centrada na aliança em relação à fé, à esperança, ao amor e à educação.

A aliança tem impacto até mesmo na compreensão e no papel do Santuário como um lugar de graças, pois não surgiu de uma aparição ou visão (levando a uma ênfase em fenômenos extraordinários), mas de uma relação mútua entre os parceiros terrestres e celestiais (colocando a ênfase nos caminhos comuns para a santidade e na união da ação de Deus com nossa cooperação).

Minha confiança filial e minha calma soberana

"Eu selei uma Aliança de Amor"

“Enquanto caminhávamos no cemitério de Milwaukee, perguntei um dia ao Pe. Kentenich se ele ainda acreditava que poderia voltar a Schoenstatt, porque todos os sinais indicavam o contrário, e os decretos de Roma o restringiam cada vez mais. De repente, ele parou e disse solenemente: “Agora eu lhe revelo o grande segredo da minha confiança filial e da minha calma soberana: eu selei uma Aliança de Amor”.

(Padre Josef Neuenhofer, Somente e sempre Pai, 30)

Quatro dimensões da Aliança de Amor

A aliança se aprofunda nas alturas, na largura e no comprimento