Procurar
Close this search box.

Schoenstatt
Apostolic Movement

Surgem questões sobre José Engling em Roma: Uma oportunidade para conhecê-lo melhor

By: Heinrich Brehm

Em 16 de Maio de 2022, a Dra. Alicja Kostka, membro da União Feminina de Schoenstatt, foi nomeada pelo postulador geral dos Palotinos como vice-postuladora do processo de beatificação de José Engling em Roma. Ela substituiu assim o Padre Joachim Schmiedl, que morreu em Dezembro de 2021 e que acompanhou o processo durante os últimos 20 anos. Em Fevereiro de 2021, o Dicastério para as Causas dos Santos levantou novas questões, cujo esclarecimento é um pré-requisito para que o processo continue com sucesso. Responder a estas perguntas é uma das primeiras tarefas da nova vice-postuladora. Schoenstatt.de teve a oportunidade de falar com a Dra. Kostka.

Sra. Kostka, a senhora está vinculada a José Engling há anos…

Sim, ouvi falar dele pela primeira vez como estudante de teologia na Universidade Católica de Lublin, no sul da Polônia, quando me deparei com o Movimento de Schoenstatt. Fiquei especialmente tocada pelo fato de José Engling ser da minha terra natal, Warmia, antiga Prússia Oriental. O interesse no meu compatriota cresceu rapidamente. Gradualmente isto tornou-se uma tarefa: em 1997 assumi a responsabilidade pela sua terra natal em Prosity, Polónia. Isto levou-me a um exame mais intensivo da sua vida, pois vi cada vez mais a necessidade de o tornar conhecido no ambiente do seu antigo local de residência, mas também no Movimento Internacional de Schoenstatt, ou de abrir a sua missão mais profundamente e para hoje. Seguiram-se workshops, peregrinações e publicações, e a minha vida tornou-se cada vez mais ligada a José.

O processo de beatificação de José Engling está em curso há já algum tempo. Quais têm sido as fases deste processo até agora?

Surgen preguntas
Dr. Alicja Kostka (Foto: Brehm)

O processo foi aberto a 4 de Outubro de 1952 em Trier, pouco depois de o fundador de Schoenstatt ter sido obrigado a exilar-se em Milwaukee. Após a separação da Obra de Schoenstatt dos Palotinos em 1964, o processo foi inicialmente suspenso até ser retomado no ano 2000 graças a um acordo entre os Palotinos e o Movimento de Schoenstatt. A responsabilidade recai sobre a comunidade palotina, uma vez que José era estudante na casa de estudos palotina em Vallendar. Nos anos de 2005 a 2008 foi realizado um chamado processo complementar na Diocese de Trier a fim de estabelecer a sua reputação como santo, que foi selado com um “Decreto de Validade” em 2 de Abril de 2009. Desde 2013, o processo tem estado na “fase romana”. Tanto as questões históricas como teológicas foram esclarecidas pelas comissões competentes. A questão do estatuto do candidato como soldado no momento da sua morte deve ser examinada individualmente e especificamente em cada caso. Durante muito tempo, esta questão foi um obstáculo que não pôde ser superado. Entretanto, no entanto, esta questão já não é um obstáculo fundamental à beatificação. Na Primavera de 2021, o processo já estava próximo da conclusão da primeira fase, ou seja, antes da atribuição do título: Venerável, Servo de Deus. Portanto, as novas questões levantadas na Primavera de 2021 são, num certo sentido, surpreendentes.

Que questões o dicastério voltou  a levantar para a beatificação?

As perguntas relacionam-se com o manejo feito por José das dificuldades de seu caráter. Entre eles, a sua luta com as mudanças de humor. Engling era propenso à melancolia e muitas vezes tinha de se despertar da inércia. Os cardeais querem esclarecer se ele assumiu a luta contra esta fraqueza de caráter por razões religiosas ou por razões humanas, puramente volitivas, até mesmo por uma certa obstinação.

Em segundo lugar, os cardeais interrogam-se se uma personalidade com tendência para “vícios leves” (entre outras coisas, a sua tendência para jogar às cartas) pode ser apresentada aos jovens como um modelo a seguir.

Além disso, trata-se do cumprimento dos seus deveres no âmbito do seu serviço militar. Perguntaram-lhe se tinha de fato sempre desempenhado as suas funções como soldado e seguido ordens. O fato de – ao que parece – nem sempre ter prestado atenção à sua aparência é a fonte das dúvidas. E, finalmente, ainda não é possível determinar claramente se José Engling matou ou não alguém no decurso do seu serviço militar. Todas estas questões culminam na questão geral de saber se a sua pessoa poderia ter alguma relevância para a juventude de hoje.

 

Como são avaliadas estas perguntas? Podem ser respondidas de forma satisfatória? E que comentários você tem sobre este questionamento da pessoa de Engling?

Parece-me que devemos ver estas questões como uma oportunidade para descobrir José Engling mais profundamente e também de novo. Talvez sejam precisamente os jovens de hoje que estão à espera de tal modelo a seguir. Para mim, em qualquer caso, as perguntas são uma oportunidade para aprofundar este importante co-fundador de Schoenstatt. Talvez tenhamos de voltar a trabalhar com ele. Já uma primeira preocupação com as perguntas me convenceu de que a sua vida é um exemplo de como se pode enfrentar os defeitos do próprio caráter e – na aliança de amor com Maria – finalmente superá-los. O desenvolvimento consciente e religiosamente motivado da personalidade pela mão de Deus e da Mãe, que pode ser observado na sua vida, pode ser um exemplo valioso, especialmente com o esforço visível para os jovens. Era motivado pelo amor, especialmente pelo amor a Maria. Desse amor ele teve a força para primeiro admitir as suas fraquezas, depois para as enfrentar e finalmente para as ultrapassar. Muitos schoenstattianos e amigos de José Engling estão familiarizados com a palavra-chave “Remonville”. Aqui, José mostra como se pode elevar da derrota para começar de novo, num ambiente extremamente desfavorável e nas difíceis circunstâncias da guerra. Este exemplo tornou-se uma ajuda para muitas pessoas de diferentes gerações. Os jovens de hoje em particular (mas não apenas eles) são confrontados com várias experiências e perigos de dependência.

Também na questão de como ele lida com as suas mudanças de humor, com as quais lida de forma bastante consciente, é evidente que José Engling encontrou uma forma original, no sentido da auto-educação, de desafiar conscientemente estas mudanças, e isto numa idade muito jovem. Fê-lo, como na superação de outras dificuldades, em íntima união com a Virgem Maria, confiando na sua ajuda, mas muito mais por Ela e pela nascente Obra de Schoenstatt como uma nova comunidade espiritual, como um despertar divino que pôde experimentar com todos os seus sentidos.

E a pergunta, será que ele alguma vez disparou e matou?

Surgem questões
(Foto: Kostka)

Esta pergunta só pode ser respondida com base na totalidade da sua vida e no que ele próprio deixou escrito. Fez o seu serviço militar conscienciosamente como membro da Congregação Mariana. Ele preparou-se a si próprio e aos seus colegas da Congregação interiormente para este momento. Ele queria usar conscientemente este tempo desafiador, mesmo extremamente perigoso, para crescer em santidade. Esse era o seu objetivo. Nunca recuou em relação a isto, pelo contrário. Avaliou-se constantemente e mediu-se a si próprio em relação ao seu objetivo. Este era o seu horizonte principal. E, além disso, não era um fim em si mesmo. Para ele era a forma de ajudar a construir Schoenstatt. Nos seus diários podemos ler como surgiram os primeiros grupos. Nas suas notas não há qualquer menção se alguma vez disparou deliberadamente contra uma pessoa. Para alguém que regista outras experiências com tanto detalhe e de forma tão “delicada” no seu diário, a ausência de qualquer indicação de envolvimento moral na matança de um ser humano, mesmo inimigo, é também uma indicação, uma confirmação.

Na minha opinião, esta pergunta só pode ser respondida com base na totalidade da sua atitude, da sua prática espiritual, das suas declarações e das testemunhas contemporâneas. Aqui, como já indicado, a sua consciência responsável deve orientar a resposta. José pediu voluntariamente ao seu pai espiritual, José Kentenich, uma penitência por uma pequena falta. Confessava-se frequentemente e sempre que podia, recebia a Sagrada Comunhão, que para ele era “muito santa”. Durante toda a sua vida tentou viver a um nível espiritual muito elevado. Neste contexto, é difícil imaginar que ele nunca teria registrado nada sobre uma experiência como a morte de um ser humano. Quando ele escreve sobre tirar os mortos ou feridos do campo de batalha e o faz voluntariamente, fá-lo com uma elevada sensibilidade religiosa e humana, de fato de qualidade. Isto também deve ser tido em conta nesta questão.

E como vê a questão geral de saber se pode ser um modelo a seguir pelos jovens?

Para mim, há três pontos chave aqui, que eu gostaria de citar como segue: “crescimento na proximidade com Deus”; ” mística na vida cotidiana” e “cristianismo do futuro”.

É precisamente nos últimos meses de sua vida que vemos em José Engling uma união palpável com Deus. Em 3 de junho de 1918, ele ofereceu sua vida à Mãe de Deus para os objetivos que ela tinha em mente para Schoenstatt. No tempo seguinte, ele viveu conscientemente esta consagração. Nas circunstâncias cruéis da guerra, ela nos mostra como, como cristão, pode-se manter, até mesmo desenvolver a vida religiosa e espiritual em circunstâncias militares extremas. A guerra na Ucrânia ilustra em traços largos sua vida cotidiana. Um jovem que quer ser um padre, um escritor e um missionário, torna-se um soldado da noite para o dia – porque a guerra irrompe – sem nunca ter tido essa intenção. É admirável como ele lida com estas circunstâncias da vida que ele não escolheu voluntariamente.

Ele pode ser um modelo em muitos aspectos: no desenvolvimento coerente de sua personalidade, na estruturação de seu dia mesmo em circunstâncias adversas, na criatividade e coerência de seu compromisso missionário com a fé, … Ele pode ser um modelo para jovens comprometidos com a construção de comunidades espirituais, para pessoas que querem estar envolvidas na construção da Igreja local e também para pessoas que querem assumir ou assumiram responsabilidades de liderança.

Seu amor por Maria foi muito longe: isto também deve ser explorado de novo. Nisto, a unidade com o amor de Cristo, que distinguiu seu amor por Maria, é particularmente evidente. Eu também veria em José Engling um exemplo de uma pessoa muito bem ligada no sentido de vínculos profundos: com sua família, com seus pais e irmãos, com seus colegas e em sua responsabilidade por eles; com seus professores e com seu pai espiritual, que era seu guia, com uma orientação em liberdade.

Tenho a impressão de que estamos diante do desafio de olharmos de novo para José Engling. E talvez as questões colocadas sejam – de um ponto de vista providencial – um incentivo para fazê-lo.

 

Dados da Dra. Alicja Kostka

– Membro da União Feminina de Schoenstatt.
– 2006: Doutorado em Teología Moral na Universidade Católica de Lublin sobre la imagen da mulher no Padre José Kentenich.
– 2008-2020: Professora no Seminário de São Lamberto, Lantershofen.
– 2019: Estudos para postuladores na Pontificia Università Urbaniana, Vaticano.
– 2022: Estudou estudos de arquivo na Escola de Arquivística, Paleografia e Diplomacia do Vaticano.

– Desde 2020: Membro do Grupo Internacional de Investigação na Causa Kentenich.
– Consultora no conselho assessor do processo de beatificação de Franz Reinisch.

Share

with your loved ones

Related articles that may interest you

casa onde

A casa onde Joseph Engling nasceu faz os visitantes reviverem a história

Excerpt / Resumo: Pe. Kentenich disse sobre José Engling que ele viveu a Ata da Fundação de Schoenstatt. Ele viveu heroicamente a Aliança de Amor com Maria. A casa onde nasceu e a sua escola, hoje Prosity, na Polônia, são locais históricos que podemos visitar e onde podemos até nos hospedarmos. É publicada a nova edição do “José Engling Info-Brief”.

Read More »