Procurar
Close this search box.

Schoenstatt
Movimento Apostólico

Pe. Kentenich e Fritz Esser: Paternidade sacerdotal

By: Balthasar Blumers

Em sua Exortação Apostólica Evangelii Gaudium, o Papa Francisco fala sobre o óleo da unção da misericórdia que todas as pessoas deveriam experimentar “como sinal do reino de Deus que já está presente entre nós” (EG 288). Sim, havia e há muitas feridas a serem ungidas, tanto físicas quanto espirituais, tanto naquela época quanto agora. E essa é a tarefa de todos os cristãos, mas especialmente a tarefa dos ministros ungidos pelo sacramento da Ordem.

E se agora eu os convido a mergulhar na história da fundação de Schoenstatt, gostaria de lhes apresentar um jovem da primeira geração que é pouco conhecido, Fritz Esser. Apesar de ser um herói “discreto”, todos que visitam o Santuário conhecem seu trabalho, pois Fritz se imortalizou ao criar a moldura de luz que fica ao redor da imagem de Maria: Servus Mariae nunquam peribit – Um servo de Maria jamais perecerá. Aos 18 anos de idade, ele deu à sua vida um título apropriado. E foi assim que tudo aconteceu…

Um amigo íntimo de José Engling

Em 23 de setembro de 1912, Fritz Esser chegou à casa de formação em Schoenstatt, cerca de dois meses antes de completar 12 anos de idade. No dia seguinte, seu futuro colega de classe, José Engling, também chegou. Fritz era 2 anos e 10 meses e meio mais velho. Apesar de suas diferenças, mais tarde eles se tornaram amigos. Eles queriam se tornar sacerdotes.

José rapidamente se tornou um dos melhores alunos da classe, enquanto que Fritz, por outro lado, ficou em 36º lugar, entre 39 alunos, no seu primeiro boletim escolar e teve de lutar muito para ser aprovado no final do ano letivo. “Sou dez vezes mais burro do que pareço”, ele confessa mais tarde.

Com seu comportamento sanguíneo, otimista e alegre, Fritz logo conquista o amor e o apreço de todos. Simplesmente não era possível ficar com raiva dele. Juntamente com José Engling, ele cresceu na Congregação Mariana da casa, no incipiente Schoenstatt, e se envolveu ativamente.

Foto da Congregação Maior, em 1917. Fritz Esser está em pé, na última fila. É o terceiro da direita para a esquerda

Fritz encontrou um coração paternal

Mas, como é fato, um temperamento sanguíneo também tem seu lado sombrio:

“Regozijando-se até os céus, triste até a morte, feliz é a alma que ama!” Essas palavras de Goethe dão uma ideia da inconstância que afetava Fritz Esser quando ele enfrentava ventos contrários. O jovem percebeu isso quando tinha 17 anos de idade e estava no exército.

No entanto, não chegamos a esse ponto – havia ainda o Pe. José Kentenich. Em outubro de 1912, ele assumiu o cargo de diretor espiritual do seminário, com apenas 27 anos de idade. Como diretor espiritual, ele vivia sob o mesmo teto que os meninos, primeiro na nova casa de formação na colina e, a partir de 1914, durante a guerra, no vale. Ele estava literalmente “sempre por perto”.

Talvez o Padre Kentenich tenha reconhecido nesse menino algo de sua própria biografia. Fritz havia crescido sem pai. Seu pai morreu de tuberculose antes de seu primeiro aniversário. Sua natureza doentia também pode ter despertado a paternidade no sacerdote. Conta-se que o diretor espiritual certa vez alimentou ao doente Fritz na cama.

Uma compilação das cartas do Padre Kentenich a Fritz Esser dá uma ideia de quão profundamente a alma de Fritz estava gravada: “Estou seguro na Aliança com a Mãe e com o Padre Kentenich, posso sempre senti-la na carne”.

Ele se tornou o “secretário” do Pe. Kentenich

Voltemos ao ano de 1918, quando Fritz Esser tinha 17 anos e o Pe. Kentenich 32.

Depois da Páscoa, Fritz teve uma surpresa: devido ao fato de que os jovens logo seriam convocados para o serviço militar, a classe de 1900 não teria mais aulas e deveria ficar em casa! Mas, sua mãe teve que vender a casa paterna no vilarejo e agora morava sozinha na cidade vizinha. Então, onde Fritz poderia ficar? O Padre Kentenich encontrou um saco de palha em Schoenstatt e nomeou Fritz como seu secretário, seu escriba – não é esse o óleo da unção da misericórdia?

Correspondência de guerra

Esser é o primeiro da esquerda, em pé. Foto de soldados no período de guerra

No final de junho, Fritz teve que ir para Mainz para se juntar à 117ª Reserva de Infantaria. Desses apenas 5 meses, sobreviveram 4 cartas do Senhor Padre (Pe. Kentenich) para Fritz. Alguns trechos escritos pelo Pe. Kentenich:

– 4 de julho de 1918: O que você diz sobre a percepção que tem dos pensamentos e sentimentos de nosso povo? Ora, nós, padres, temos uma tarefa difícil. Mantenha-se convencido de que sua Mãe celestial quer educá-lo para que se torne um instrumento apto através do destino da guerra…

– 22 de agosto de 1918: Sua doença é uma bênção. Assim, você pode trabalhar mais para o seu grupo e se concentrar melhor em si mesmo…

– 11 de setembro de 1918: Estou contente por você ter usado seu tempo da maneira correta… Você ficará bastante feliz de saber que a nossa pequena capela, que você sempre se esforçou para decorar, estava no centro do retiro…

– 28 de outubro de 1918: É uma pena que não pudemos conversar a sós recentemente. Eu preferia isso a todas as outras conversas. Agora você precisa voltar ao caminho antigo por conta própria. Você está infeliz consigo mesmo. Esse é o melhor terreno para reavivar o desejo de alcançar os antigos ideais…

Quanta solidariedade e incentivo há nessas linhas – “nós, sacerdotes”. Depois, a sacudida. Eu o chamo de óleo de unção do apreço.

Os conselhos do Pe. Kentenich sempre o ajudaram

A guerra chega ao fim e uma nova vida começa após as férias de Natal de 1919.

Fritz Esser fica mortalmente doente, com os pulmões afetados. Às vezes, ele perde a consciência. Em um de seus momentos mais leves, seu diretor espiritual o visita. “Padre, vou morrer ou devo rezar por minha saúde?” E a resposta: “Reza por tua saúde”. Fritz faz isso e, depois de alguns dias, a doença é superada.

Para Fritz Esser a preparação para o Abitur (o exame de conclusão de Ensino Médio alemão) sob a direção espiritual do Pe. Kentenich se converteu em um ponto culminante natural e sobrenatural de vida. Ele sofreu muito com isso. Desesperado, procura o Padre Kentenich. Será que ele não deveria abandonar o seminário, desistir do sacerdócio e entrar para os Irmãos Palotinos? O diretor espiritual o encorajou repetidas vezes e o encaminhou para a Aliança de Amor. Sua confiança deveria se tornar heroica, a partir da qual surgiu uma confiança filial, o que trouxe a Fritz um equilíbrio interior.

Talvez o Padre Kentenich tenha dito a ele: “Faça algo pela Mãe de Deus e ela cuidará de você!” Porque, por profunda confiança, Fritz quis criar um monumento à Mãe de Deus e planejou uma moldura de luz, feita de madeira, em torno de sua imagem de graças! Ele logo encontrou as quatro palavras em latim. Com suas mãos habilidosas, ele serra muitas partes individuais e cola toda a construção. Os Irmãos Palotinos organizam a parte elétrica e o trabalho é bem-sucedido: Servus Mariae nunquam peribit.

Ele foi ungido com o óleo da santidade

Para Fritz Esser, a preparação para o vestibular, com a orientação espiritual do Pe. Kentenich, tornou-se um destaque natural e sobrenatural em sua vida. “Sei que não posso fazer nada, por isso confio ainda mais em minha Mãe Celestial e no querido Deus.”

O exame oral foi em 25 de julho de 1919. “Agora posso deixar os livros de lado com confiança, porque passei no exame… Eu sempre fui o pior da minha classe…”

Sem perceber, Fritz viveu esse meio ano de forma heroica e confiante, muito próximo de Deus e da Mãe. Nos anos que se seguiram, Fritz esteve “no fundo do poço” algumas vezes e também voltou a subir um pouco, mas quando morreu estava de volta ao topo.

Fritz Esser viveu mais 3 anos e meio. Ele entrou para o noviciado palotino, em Limburgo. Mas logo teve que sair, pois seus pulmões não se curavam. Em 4 de janeiro de 1921, sua viagem o levou a Sandbach, perto de Neustadt/Odenwald, e finalmente ao Hospital Hildegardis, em Mainz. Olhando para trás, ele se lembra muitas vezes e com saudade do tempo maravilhoso que passou se preparando para os exames de admissão. Ele foi ungido com o óleo da unção da santidade.

Fontes:
Josef Klein: Fritz Esser, Reihe Gelebtes Schönstatt Nr. 4, Schönstatt 1954
Vater-Sorge in Briefen, Novene mit Fritz Esser, Rodgau-Weiskirchen 1995

Share

with your loved ones

Related articles that may interest you