Procurar
Close this search box.

Schoenstatt
Movimento Apostólico

Papa: a Teologia Moral deve ser aliada da família na missão de testemunhar a Boa Nova

By: Vatican News

O Papa Francisco saudou esta manhã os participantes do Congresso Internacional de Teologia Moral, organizado no âmbito do Ano “Família Amoris Laetitia”.

A saudação ao Pontífice foi dirigida pelo jesuíta português Padre Nuno da Silva Gonçalves, em nome da Pontifícia Universidade Gregoriana, da qual é reitor, e do Instituto João Paulo II para as Ciências do Matrimônio e da Família, promotores do evento.

O Papa parte da constatação de que a vida familiar hoje está mais provada do que nunca. Além de uma crise cultural profunda, a família enfrenta falta de trabalho, de habitação digna e de paz. Também os jovens se sentem desencorajados a constituir família.

Como as famílias podem testemunhar a Boa Nova?

Todas essas mudanças provocam a Teologia moral, afirmou Francisco, a falar uma linguagem que seja compreensível aos interlocutores e, assim, ajudar a superar as adversidades. A propósito, o Pontífice chamou à atenção a exigência da inter e da trans-disciplinariedade entre a Teologia, as Ciências Humanas e Filosofia. Assim ficará evidente o elo recíproco entre a reflexão eclesiologica e sacramentaria e os ritos litúrgicos, com as práticas pastorais e as grandes questões antropológicas.  Tudo isso para ajudar a responder a seguinte pergunta: como as famílias cristãs podem testemunhar hoje, na alegria e nas dificuldades do amor conjugal, filial e fraterno, a Boa Nova do Evangelho de Jesus Cristo?

Nesse sentido, o método da sinodalidade se torna ainda mais indispensável para que as famílias sejam de fato envolvidas e ouvidas, constituindo um “kairos” para a Teologia Moral. A práxis pastoral não pode ser deduzida de princípios teológicos abstratos, assim como a reflexão teológica não pode se limitar a reiterar a prática.

A moral evangélica não é moralismo nem idealismo. No centro da vida cristã está a graça do Espírito Santo, reiterou por fim o Papa. Assim ajudaremos as famílias a reencontram o sentido do amor. O convite final aos teólogos é que prossigam o trabalho com fidelidade criativa ao Evangelho, sem deixar de lado a experiência concreta vivida pelas famílias.

Voltar atrás não é cristão

A propósito de criatividade, o Pontífice reiterou que esta não está em contraposição com as “raízes”. O que não se pode, afirmou, é “voltar atrás” por falta de genialidade ou de coragem. As raízes firmes permitem dar um passo avante, dali se toma a inspiração para prosseguir. “Voltar atrás não é cristão”, disse Francisco, cirando a Carta aos Hebreus.

“Voltar atrás é voltar para ter uma defesa, uma segurança que evite o risco de ir para frente, o risco cristão de levar a fé, de fazer o caminho com Jesus”, completou o Papa, advertindo para o surgimento de “figuras eclesiásticas” que surgem como “cogumelos” aqui e ali querendo ressuscitar um tomismo decadente. “O verdadeiro tomismo está contido na Amoris laetitia“, concluiu.

 

Share

with your loved ones

Related articles that may interest you

Dicas para quem quer começar a ler a Bíblia

Neste “Domingo da Palavra de Deus”, acompanhe algumas dicas para iniciar ou aprofundar a leitura bíblica. O Pe. Marcelo Cervi, doutor em Teologia e membro do Instituto Secular dos Sacerdotes Diocesanos de Schoenstatt, coordena um grupo online de estudos bíblicos e apresenta algumas sugestões.

Read More »