Procurar
Close this search box.

Schoenstatt
Movimento Apostólico

Mario Hiriart, uma vida de santidade heroica

Pe Eduardo Aguirre

Em 23 de julho celebramos o aniversário do Venerável Servo de Deus, Mario Hiriart, uma vida de santidade heroica. Mario nasceu em Santiago do Chile em 1931. Este ano ele completaria 90 anos de idade.

Seu caminho de vida: a santidade heroica

Desde o momento em que Mario entrou em contato com Schoenstatt aos 16 anos de idade, ele se comprometeu com constância e lealdade. A partir de então, ele iniciou um sério desenvolvimento em sua vida religiosa, identificando-se cada vez mais com os ideais de Schoenstatt. Em suas primeiras anotações em seu caderno pessoal, que ele começou a escrever em 1948 e que guardou até sua morte, ele já expressa claramente sua séria aspiração à santidade.

“Para trabalhar bem eu preciso de uma base, de uma fundação: a vida interior. Para dar glória a Deus eu preciso ter me preparado para este trabalho; esta preparação implica uma perfeição espiritual que me permite estar acima do meio que desejo influenciar; devo, portanto, me santificar. A fim de me santificar, devo intensificar o cumprimento de meus deveres como estudante, já que a obrigação primária de todo católico é o cumprimento exato de seus deveres de estado. O fiel desempenho dos deveres profissionais deve ser oferecido a Deus como um sacrifício feito para Sua glória e por amor a Ele“.

Instrumento nas mãos da Mãe de Deus

Mario se consagrou como leigo nos Irmãos de Maria, como um instrumento nas mãos da Mãe de Deus. Pouco a pouco, Mario identificou-se totalmente com Schoenstatt, com sua espiritualidade e seus ideais, descobrindo nela seu modo de fé, sua maneira de participar da vida da Igreja e seu compromisso como cristão no meio do mundo.

Ao participar e assimilar os ensinamentos do Padre Kentenich, tornou-se um dos fundadores de Schoenstatt no Chile, foi membro do primeiro grupo de jovens que surgiu em Bellavista e foi um de seus líderes mais determinados, entusiasmados e constantes.

Schoenstatt, meu mundo inteiro

À medida que aprendeu mais profundamente sobre a espiritualidade e a pedagogia de Schoenstatt, sua admiração pelo Pai Fundador, o Pe. Kentenich, cresceu. Em 1957, escreveu em seu diário:

 

“Hoje é 18 de outubro, meu décimo 18 de outubro como schoenstattiano. São 10 anos de transformação total de toda a minha vida. Mãezinha, não acredito que se trate simplesmente da maturação do final da adolescência: parece-me que posso dizer que me descobri nestes anos, que descobri por que existo, que encontrei a razão da minha vida. Sim, Mãezinha, é isso. Antes de conhecer Schoenstatt, a razão de minha vida parecia ser ler e estudar, mas agora, Mãezinha, como tudo é diferente!

Estes 10 anos abriram um mundo totalmente novo para mim. Creio que posso dizer com toda sinceridade que Schoenstatt se tornou meu mundo inteiro, um mundo imenso e maravilhoso, do qual eu vivo e para o qual vivo. Minha vida inteira, Mãezinha, agora não tem razão de existir sem a capelinha, tu nela, nossa aliança de amor, nosso Padre Kentenich, toda a família. Encontrei pessoas que me deram um amor humano sobrenaturalizado, encontrei pais, irmãos, irmãs, encontrei a paz em tempos de agitação. Mãezinha, eu tenho sido feliz lá porque tive tudo isso contigo. Portanto, Mãezinha, hoje quero renovar minha aliança de amor contigo em teu santuário“.

 

Outras citações de seu diário

Em 18.04.1957 ele escreveu:

“Mãezinha, quero dar a renovação de minha consagração, que estou fazendo imediatamente (exatamente à meia-noite da Quinta-feira Santa), o caráter de um Ato de Fidelidade pessoal ao Padre Kentenich“.

E mais tarde, em 3 de janeiro de 1958:

“… (vejo a) necessidade de unir-me completamente ao Padre Kentenich, como única forma de realizar em nós o Schoenstatt total, que ele encarna. Minha Mãezinha, tu sabes como minha vinculação a ele cresceu nos últimos anos. Entendo perfeitamente que ele é o pai da Família, e que cada membro da Família que quer vivê-la em plenitude tem que se assemelhar a ele. A única maneira de ser verdadeiramente Schoenstatt é assimilar-se ao modelo de vida de Schoenstatt, que é nosso pai e fundador.

Por isso também é necessário criar uma relação pessoal vital com ele, porque só se pode imitar o que se conhece e se ama. Portanto, é fundamental para nós, conhecer e amar muito intensamente o Padre Kentenich, para estabelecer com ele a relação vital mais profunda que nos é possível”.

De Bellavista, em 8 de julho de 1956, Mario escreveu ao Pe. Kentenich:

“Querido Pai Fundador: O caminho da minha vocação, como a vejo hoje, foi minha convicção pessoal de que o cristianismo de nosso tempo exige imperativamente um grau extraordinário de santidade leiga. Esta santidade leiga deve ser traduzida em uma firme vocação a uma profissão e a uma missão no mundo leigo, sublimada por uma concepção perfeitamente cristã e teocêntrica da vida leiga e realizada com um heroísmo igual ou até maior do que o dos maiores mártires da Igreja. O estado laico da vida também deve ser uma forma ordinária de santificação”.
Mario Hiriart morreu de câncer em Milwaukee, EUA, em 15 de julho de 1964, onde o Pe. José Kentenich, ao visitá-lo, lhe deu a extrema unção. Seus restos mortais descansam atrás do Santuário de Schoenstatt em Bellavista, Santiago do Chile.

 

Pe. Eduardo Aguirre, Postulador – Roma, 07.2021

Visite também o site: www.mario-hiriart.net

Veja também (em espanhol) : ⇒Mario Hiriart, un video que tocará tu corazón

 

 

Share

with your loved ones

Related articles that may interest you