Procurar
Close this search box.

Schoenstatt
Movimento Apostólico

Indígenas em risco devido à falta de vacina contra a Covid-19

By: Signis ALC

A desinformação sobre a pandemia e as dificuldades de acesso à vacina, devido às grandes distâncias que separam as comunidades indígenas dos centros de saúde, é o maior problema que afeta os povos amazônicos e colocam em risco a sua sobrevivência. Embora nas últimas semanas tenha havido uma melhoria nos indicadores de mortalidade e morbilidade para a Covid-19 na região da Amazônia, a agência da ONU relata que as autoridades permanecem em alerta, porque a pandemia continua a ser uma ameaça e a desinformação sobre a doença e as vacinas persistem nos territórios indígenas.

Entre outros problemas no acesso às vacinas, estão as longas distâncias entre as comunidades indígenas e os centros de saúde urbanos onde elas são administradas. Para chegarem lá, os membros da comunidade têm de viajar durante dias por caminhos a pé e pelos rios, o que requer recursos econômicos para combustível, mas também os coloca em risco.

Este é o caso de dezesseis indígenas Yagua da comunidade Siete de Agosto, uma das mais remotas da Amazônia colombiana. “Eles angariaram dinheiro para comprar 10 galões de gasolina necessários para navegar no rio Atacuari até à sua foz na Amazônia. O seu objetivo: chegar ao município de Puerto Nariño, a fim de avançar rapidamente no processo de vacinação contra a Covid-19”, descreve a agência da ONU.

Em maio, Teófilo apanhou o vírus e, como ele mesmo diz, “quase me levou para o buraco”. Para não repetir essa tragédia mortal, uma vez que soube que a vacinação estava a ser efetuada em Puerto Nariño, não quis esperar que a brigada de saúde chegasse à sua comunidade. Sem pensar duas vezes, juntamente com a família e amigos, decidiu embarcar numa travessia de duas horas pelo rio para receber esta proteção contra a Covid-19.

Contudo, este não é o caso em outras nove áreas não municipalizadas da Amazônia colombiana, onde vivem Ticuna, Uitotos, Muinanes, Ocainas, Yaguas, Cocamas e Boras, entre outros povos indígenas.

No caso da Bolívia, representantes indígenas pediram recentemente às autoridades que garantissem informação, transporte e acesso a vacinas para as áreas onde vivem, particularmente os idosos.

“A realidade nas nossas comunidades é que há pessoas que nem sequer têm dinheiro suficiente para comprar comida, muito menos terão para gastar em transporte aos centros de vacinação”, disse Roni Ribera, um chefe Chiquitano e membro da Confederação dos Povos Indígenas da Bolívia Oriental, CIDOB-organic.

Muitos povos indígenas estão limitados na sua capacidade de viajar para os centros de inoculação, e fazê-lo gera custos e riscos econômicos para eles. Por esta razão, os representantes dos povos das planícies pediram que fosse criada uma logística para chegar até eles com informação e vacinas adequadas.

“No nosso caso e no dos nossos irmãos e irmãs, o transporte é muito complicado, porque precisamos de dinheiro para a gasolina dos nossos barcos e há custos de viagem para chegar à cidade. Mas se as nossas autoridades estivessem dispostas, já teriam enviado duas brigadas de médicos para descerem às comunidades”, disse Matilde Noza, uma líder indígena da região do TIPNIS, há alguns dias.

 

Fonte: REPAM/FIDES / SIGIS ALC

Para ler mais:

Em torno a que centro nós giramos?

Share

with your loved ones

Related articles that may interest you