Procurar
Close this search box.

Schoenstatt
Apostolic Movement

Você já pensou sobre a sua morte?

By: Gisela e Klaus Glas

A tristeza e a alegria às vezes andam de mãos dadas na vida. Passamos por isso quando nossa filha mais velha se casou. Alguns dias antes, minha mãe (mãe de Klaus) havia falecido – e ela estava muito ansiosa por essa celebração. Na recepção do casamento, os convidados mais próximos e mais distantes foram mencionados. No final das apresentações, os noivos se referiram a duas grandes fotos que estavam lá: uma mostrava o avô do nosso genro, que havia falecido alguns meses antes, e a outra a minha mãe. Os noivos disseram que “o vovô e a vovó se juntariam à celebração do céu”. Como cristãos, nós os convidamos a manter contato com nossos entes queridos que partiram.

No final de cada ano, somos confrontados com o fato de que a morte faz parte da vida. Em 1º de novembro, os católicos comemoram o Dia de Todos os Santos. Um dia depois, o Dia de Todas as Almas (Finados). Muitos visitam os túmulos de seus parentes falecidos. No final do mês, algumas igrejas protestantes celebram o Domingo de Todas as Almas. O último domingo do ano litúrgico, na Festa de Cristo Rei, também é chamado de “Domingo da Eternidade”, porque aguardamos ansiosamente o retorno do Senhor e a vida eterna.

Sentir-se em casa no mundo e no céu

Quando enfrentamos a morte de familiares ou amigos, surge uma sensação de desconforto, porque os pensamentos sobre nossa própria morte são ativados. O conhecimento da mortalidade é o que alguns psicólogos estadunidenses chamam de “verme em nosso coração”. À medida que envelhecemos, isso torna a vida cada vez mais miserável. Algumas pessoas esperam morrer antes de seu parceiro porque, por um lado, não conseguem suportar a dor da morte de quem amam e, por outro, acham difícil viver sozinhas.

Os cristãos dos primeiros séculos acreditavam que só veriam a Deus no céu. A felicidade eterna consistia apenas em “contemplar a Deus”. Os falecidos estariam diante de Deus e “o contemplariam e o amariam; eles o amariam e o louvariam sem fim”. Isso é o que Santo Agostinho (* 354, † 430 d.C.) ensinou. No decorrer de sua vida, o Padre da Igreja desenvolveu ainda mais a doutrina da reunião no céu.

Quando morreu o marido de Itálica, uma nobre romana, em 408 d.C., Agostinho lhe escreveu uma carta. Ele consolou a viúva com estas palavras: “Nossos entes queridos que partiram desta vida não estão perdidos para nós; nós apenas os enviamos adiante. Graças à firme promessa de Deus, nós também podemos esperar entrar um dia naquela vida na qual, quanto mais os conhecermos, mais os amaremos e na qual os amaremos sem medo de nos separarmos deles”.

Gostaríamos de convidá-lo a desenvolver essa atitude em relação à vida: sentir-se em casa no mundo e no céu. O Apóstolo Paulo escreve: “A nossa cidadania, porém, está lá no céu, de onde esperamos ansiosamente o Senhor Jesus Cristo como Salvador. Ele vai transformar nosso corpo miserável, tornando-o semelhante ao seu corpo glorioso, graças ao poder que ele possui de submeter a si todas as coisas” (Fil 3, 20-21).

Segundo o Pe. Kentenich, “como cristãos, temos o dever de fazer com que a terra se torne um pedaço do céu”.

Em família: conversas difíceis, porém necessárias

  • Conte como e onde você quer ser enterrado
  • Que frase você deseja ter no seu obituário?
  • Você quer que usem roupas pretas ou comuns?
  • Que músicas você deseja que sejam cantadas no funeral?
  • Deve ser um enterro ou uma cremação?
  • Como é a vida após a morte para você?

    Podemos compartilhar nossas ideias sobre esses tópicos.

Para nossa vida com Deus

Rezemos: Espírito Santo, tu não abandonas a nossa alma, mesmo quando nossa vida terrena chega ao fim. Nossa comunhão contigo permanece. É reconfortante saber que permanecemos em seu amor. Abençoe a nós e a todos os familiares e amigos com os quais estamos unidos e conceda ao nosso querido falecido a vida eterna junto de ti. Amém.

Boletim Wir Zwei PDF, em alemão

Share

with your loved ones

WhatsApp
Facebook
X
Print
Email