Procurar
Close this search box.

Schoenstatt
Movimento Apostólico

Schoenstatt é um movimento de educação? Colaboração no serviço à vida

By: P. Victor Perez M., Fundação Pentecostes, Rede de escolas Kentenich.

A vocação do educador é apaixonante. A fé e a vida estão ao serviço de algo maior, da emergência de um novo tipo de homem e de um novo tipo de mulher que compreende o seu desenvolvimento na perspectiva de um tecido de aprendizagem e crescimento, que os desafia a ter uma visão harmoniosa e integradora de todas as suas forças. Esta é a pedagogia de Schoenstatt.

Trabalhando juntos para aprender uns com os outros

A estratégia de aprendizagem “vira e ensina” é uma dinâmica utilizada nas aulas de pré-escola. Em um determinado dia, uma professora convidou seus alunos a reconhecer as características de alguns animais de acordo com sua forma, tamanho e cor. Este exercício foi feito com os estudantes sentados em um tapete marcado com seus lugares. Os alunos estavam muito atentos, ouvindo e seguindo as explicações da professora com os olhos. Em seguida, ela pediu que se virassem e se colocassem em pares, um par de frente um para o outro, para que cada um pudesse ensinar ao outro o que havia acabado de ser explicado com suas próprias palavras.

Um exercício simples que fazemos todos os dias sem muita consciência é transmitir aprendizagem, receber informação. Esta eterna dinâmica é um ato de colaboração. Uma nova experiência surge através de um vínculo, algo que nos conecta e nos faz crescer juntos.

educación

Já nos primeiros tempos de Schoenstatt, o Pe. Kentenich nos disse: “Queremos aprender. Não só vocês, mas também eu. Queremos aprender uns com os outros, porque nunca deixamos de aprender, especialmente na arte da autoeducação, que representa a obra, a ação, o trabalho de toda a nossa vida”. (1)

Aprender uns com os outros está na raiz do nosso carisma. Somos convidados a viver este aprendizado tanto no nível natural quanto no sobrenatural, somos convidados a colaborar. Mas a questão que nos preocupa para este momento é:

Somos capazes de aprender dos outros, do tempo e das vozes de Deus que nos falam de um novo tipo de homem?

Como saber se somos um movimento de educação

O importante para saber se somos um movimento de educação é se nossa proposta está em sintonia com as pessoas e com os sentimentos de seu tempo, com suas dores e desafios. Com quem ou com o que aprendemos?

Quando pensamos em uma experiência de colaboração, para que seja verdadeiramente uma cocriarão, como diria Daniel Wilson (2), ela tem que tomar a forma de algo novo, algo original que tenha suas raízes nas partes colaboradoras, mas ao mesmo tempo, algo que encontre um eco no pulso e no desafio atuais. Uma pandemia que afetou toda a sociedade mundial, que mudou a maneira como vivemos, tem que nos dizer algo e mudar a maneira como nos aproximamos uns dos outros. Para ser coerente com o princípio “Ordo essendi est ordo agendi” (3), a ordem de ser do outro indica minha ordem de agir, de se aproximar do outro, os caminhos e meios de ser. Para que a comunicação entre os dois seja mútua, ousar aprender com o outro é, em suma, acompanhá-lo em seu próprio caminho de aprendizagem que tem tempos e momentos únicos.

Nós, schoenstattianos, não somos um movimento dogmático, mas um movimento de educação. Sempre nos entendemos como um “oficial de ligação” entre ciência e vida, teologia e vida, psicologia e vida… Somos marcadamente um movimento de educadores e de educação. (4)

Como olhamos para nossas estruturas, nossas iniciativas para que assumam as preocupações dos tempos e, sobretudo, estejam atentos ao que Deus nos diz que deve ser para nós o importante, não apenas a questão do homem, mas a do diálogo entre o homem e o Deus da vida.

Nosso carisma tem uma marca profunda de colaboração, um elemento fundamental na educação de hoje e relevante para nossa construção social, solidária e fraterna. Viver nossa Aliança de Amor com a Mãe de Deus pode ter uma oportunidade muito clara na missão de educar, de formar, de servir abnegadamente a vida que está nos outros. É um desafio estar consciente de nossa maneira de viver em relação com a Mãe de Deus, de tornar sempre o “nada sem vós, nada sem nós” uma realidade.

Ser um educador: uma vocação apaixonante

educação

Tudo isso pode se traduzir em uma vocação tão apaixonante quanto a de ser educador, sobretudo para ter em mente que a fé e a vida estão a serviço de algo maior, do surgimento de um novo tipo de homem e de um novo tipo de mulher que compreende seu desenvolvimento na perspectiva de um tecido de aprendizagem e crescimento, que o desafie a si mesmo a ter uma visão harmoniosa e integradora de todas as suas forças, capacidades e impulsos e da dinâmica do mundo, ou seja, a estar a serviço de seu desenvolvimento orgânico.

Descubrir nuevas estructuras y nuevos caminos: el desafío del educador

A pergunta se somos um movimento educacional será respondida na medida em que Schoenstatt é um movimento de mútua colaboração, onde nossas diversas comunidades aprendem umas com as outras, que somos capazes de ver que a formação de um novo homem exige novas estruturas e novas formas que são colocadas a serviço da sociedade, que estão em sintonia com o homem e a mulher de hoje, e, sobretudo, se colaboramos de tal forma que cada um deles cresça em seu vínculo filial com Deus e com a Mãe de Deus.

1 Kentenich, J. Documento Pré-Fundador 1912

2 Daniel Wilson, Diretor do Projeto Zero na Faculdade de Educação da Universidade de Harvard

3 “A ordem de ser determina a ordem de agir”.

4 Kentenich, J. Jornada para educadores católicos 1950

Share

with your loved ones

Related articles that may interest you

É tempo de “arrumar a casa”

Às vezes é necessário fazer uma “faxina” em nossa vida – mudar os móveis de lugar, retirar a poeira, colocar flores, enfeitar os cômodos. Como podemos fazer isso em nosso mundo interior?

Read More »