Procurar
Close this search box.

Schoenstatt
Movimento Apostólico

Padre Franz Reinisch – reto, decidido, consequente

By: Schoenstatt.com

Por ocasião da comemoração do dia do falecimento do Padre Franz Reinisch, schoenstatt.com publica aqui uma entrevista com o Padre Niederschlag. Prof. em. Dr. Heribert Niederschlag SAC, foi postulador no processo de beatificação do Pe. Reinisch. Ele é um “conhecedor de Reinisch” até a medula e tem uma vinculação pessoal com ele.

P. Heribert Niederschlag SAC (Foto Brehm)

Um grande buscador

Padre Niederschlag, 79 anos atrás Franz Reinisch foi decapitado na prisão Brandenburg-Görden, perto de Berlim, o único padre que havia se recusado a fazer o juramento de fidelidade a Adolf Hitler. Como o senhor o descreve como pessoa?

Ele era um grande buscador. Inspirado por seu pai, que era advogado, ele também estudou inicialmente direito em Innsbruck. Durante sua pausa semestral em Kiel, ele foi impactado pelo que viu na medicina forense. Ele abandonou seus estudos de direito e decidiu tornar-se padre. Ele estudou filosofia em Innsbruck e teologia em Brixen. Em Brixen, ele também conheceu estudantes palotinos. Ele se tornou amigo de um deles. Este último foi logo transferido para a América do Norte. De lá ele escreveu a Franz Reinisch sobre sua ordenação sacerdotal, dizendo que também poderia imaginá-lo como um palotino.

Um conselho que não escapou a Franz Reinisch. Apenas seis meses após sua ordenação, ele entrou no noviciado palotino em Untermerzbach, perto de Bamberg. Lá ele teve um período duro e difícil de aclimatação para a comunidade palotina. As numerosas regras e a ordem estrita o colocam sob tensão. Ele perseverou e professou.

Em 1933, Franz Reinisch descobriu a revista “Sal terrae” durante uma visita ao Provincialado de Friedberg, perto de Augsburg. O que ele leu ali o entusiasmou. Ele conheceu Schoenstatt, o que lhe abriu um mundo novo e fascinante. Para ele, um desejo há muito esperado tornou-se realidade quando ele foi transferido para Schoenstatt em 1938. Aqui lhe foi confiado o cuidado pastoral dos homens e a missão mundial.

Quando Hitler chegou ao poder, Padre Franz Reinisch se voltou rapidamente contra ele. Em suas discussões ruidosas e apaixonadas sobre Hitler e nazismo, sua posição clara e inequívoca rapidamente se tornou conhecida por todos os seus companheiros. Os superiores ficaram preocupados. Eles temiam pela comunidade. Desde o início, ele rejeitou resolutamente a ideologia nazista. Ele percebeu mais rapidamente do que outros que a fé cristã e a ideologia nazista eram incompatíveis. Seu forte desejo de ir a fundo deixou claro para ele que, se chamado para o serviço militar, ele teria que se recusar a fazer o juramento de fidelidade a Hitler, o que inevitavelmente significaria sua morte.

A fé cristã e a ideologia nazista são incompatíveis
Padre Franz Reinisch enfrenta os desafios de seu tempo e ao mesmo tempo é e continua sendo um buscador que se pergunta constantemente: Que caminho Deus está me pedindo? Ele é corajoso o suficiente para tomar decisões e seguir os caminhos que se abrem para ele. O que o fascina mais sobre ele e o que ele pode dizer a nossos tempos?

Fico sempre impressionado com o fato de Franz Reinisch ter seguido seu caminho de forma consistente e resoluta, mesmo mais tarde, já na  prisão, quando o medo da morte e as lutas  interiores tentavam se apoderar dele. Ele também percebeu cedo que um cristão nunca deve ser um nazista. Para ele, não havia “ambos e”, apenas “ou um ou outro”.

Fascina-me sua rápida e consistente implementação desta ideia. Ele teve que tomar esta grande decisão sozinho. Além de seus pais, ninguém o apoiou nisto. O Pe. Kentenich não disse nem sim nem não à decisão de Reinisch de recusar o juramento de lealdade. Ele o aconselhou a seguir sua consciência: “Se você pode justificar sua decisão ante sua consciência, então siga seu caminho”.

Muitos queriam convencê-lo de desistir da ideia ou mesmo ficaram zangados com ele. Alguns o insultaram e se afastaram abruptamente. Franz Reinisch reagiu sem ódio àqueles que foram muito duros com ele.

Também fiquei impressionado que, como jovem, aceita a possibilidade da morte. Ele não a reprimiu, mas lidou com ela de forma consciente. Vivemos em tempos muito incertos. Coisas incríveis acontecem, que podem nos atingir surpreendentemente rápido, sem que possamos nos preparar para elas por um longo tempo.

Devemos ser gratos por cada dia, mas ao mesmo tempo devemos estar preparados para o fato de que pode ser completamente diferente no dia seguinte. Devemos praticar novamente a atitude do “ars moriendi”, a “arte de morrer”, e estar preparados para o nosso fim, quer ele venha de repente ou se nos for concedida uma vida mais longa.

Onde o Padre Franz Reinisch conseguiu a força para permanecer fiel a suas convicções até a morte, especialmente porque muito poucas pessoas o apoiaram nisso?

Sua verdadeira fonte de força, me parece, foi a “espiritualidade de Schoenstatt”; seu amor por Maria, que ele sabia que abria o caminho real para o coração de seu Filho. Ele rezou por horas na Capela de Graças de Schoenstatt e lutou para tomar sua decisão. Além disso, os escritos de São Vicente Pallotti com seus impulsos apostólicos o atraíram muito. Eles o abriram a uma liberdade e amplitude que tinha muito que ver com sua personalidade.

O que o fortaleceu durante sua prisão foi a presença de Jesus na Hóstia Sagrada, que o Pe. Kreutzberg trazia regularmente, e a leitura e contemplação de textos bíblicos. Por último, mas não menos importante, as cartas de seu pai e de sua mãe o encorajaram. Ambos apoiaram plenamente a decisão de seu filho.

Padre Franz Reinisch precisava destas fontes de força, porque o medo da morte, que o atormentava terrivelmente de vez em quando, exigia dele o máximo. Ele se esforçou para dar testemunho do amor: “Daqui, de Berlim, a cidade da morte e do ódio, quero acender a tocha do amor e da paz no mundo.

A força de sua consciência também o levou a se perguntar: o que seria de mim se eu fizesse o juramento? Sua resposta concisa: “Então eu seria uma personalidade quebrada, e não poderia continuar a viver assim! Melhor permanecer fiel a mim mesmo e a Deus do que comprar alguns anos de vida e viver com acusações de infidelidade.

palottiner.org

Franz Reinisch é um presente do céu para nós e, ao mesmo tempo, um modelo a seguir.

Qual é a situação do processo de beatificação?

O processo de beatificação foi solenemente concluído na Diocese de Trier, em 28 de junho de 2019. Todos os arquivos e documentos importantes foram levados para Roma e são mantidos na Congregação para as Causas dos Santos. O exame de todos os arquivos e documentos já foi realizado e o trabalho realizado até o momento é positivo, – na linguagem da Congregação, o resultado é “AFIRMATIVO”. Segue o trabalho mais detalhado de análise dos documentos.

Em breve será nomeado um “Relator” para assegurar o bom andamento do processo e, sobretudo, a redação da “Positio”. Este documento traça a vida de Franz Reinisch e, como resultado da pesquisa realizada até agora, afirma que Franz Reinisch levou uma vida cristã exemplar de integridade e selou sua fé em Cristo com o testemunho de sangue.

O que é necessário de nossa parte para continuar o processo de beatificação?

Temos que torná-lo conhecido em nossos círculos de amigos e conhecidos, em paróquias e comunidades religiosas, e também nos meios de comunicação sobre os quais temos influência. Devemos nos deixar contagiar pela franqueza de Reinisch, para formar nossa consciência como ele. Hoje é o momento oportuno para transmitir sua mensagem de consciência, clareza e coerência.

Muito obrigado, Padre Niederschlag, pela entrevista. Um agradecimento especial pelo imenso trabalho que dedica e suas orações para tornar conhecida a vida e a obra do Padre Franz Reinisch e assim dar ao mundo de hoje impulsos valiosos para uma vida reta

 

 

Share

with your loved ones

Related articles that may interest you