Procurar
Close this search box.

Schoenstatt
Movimento Apostólico

Maria Imaculada pode ser um exemplo para as pessoas hoje?

By: Ir. M. Cacilda Becker

Maria como a Imaculata Parte 2

El Padre Günther Boll continúa:

Maria Imaculada: natureza e graça, uma unidade harmoniosa

O que caracteriza este “Ser como a Imaculada”, o que os move?

“Encontrei uma primeira resposta a esta pergunta nos meus encontros com o Pe. Kentenich; desde o início fiquei impressionado com o fato de ele irradiar este óbvio entrelaçamento da natureza e do sobrenatural. Com ninguém experimentei isto tão intensamente. Também significava que se podia ir até ele com tudo e conversar com ele sobre qualquer coisa. Ele tinha a habilidade incomum de falar sobre todas as áreas do ser humano com muita naturalidade e imparcialidade. Ficou muito claro para ele: Deus criou o homem como ele é, de corpo e alma. Por isso pode-se falar de tudo com a devida reverência.”

“Primeiro humano, depois cristão, depois humano por completo”

Para ele, o homem sempre foi um todo: a natureza e a sobre-natureza andavam juntas: “Tudo isso foi feito pelo bom Deus e tudo na natureza se influencia”. Essa maneira de responder foi imensamente libertadora em sua compreensibilidade. Aos poucos ficou claro para mim o que ele viu realizado na Virgem Maria como Imaculada e como reconheceu a partir daí sua meta educativa: Todos os seres humanos eram naturais e sobrenaturais ao mesmo tempo. Porque ele era sobrenatural, ele também era totalmente humano. Daí sua tese: “Primeiro humano, depois cristão, depois humano por completo”. Essa foi a educação da Imaculada para ele. A Imaculada Conceição foi para ele o modelo, a imagem orientadora e a meta de toda a nossa educação. Imaculada neste sentido significa que tudo o que é humano e natural, também tudo o que é físico e sexual está incluído no mundo da graça, porque tudo vem de Deus. Quanto mais uma pessoa cresce no mundo da graça, mais humanamente saudável e completa ela se torna. Este era o seu grande sonho, e quis conduzir todos os que lhe foram confiados nesta realidade.

Como Maria: Essa realidade estava para ele nas coisas mais cotidianas

Foto Cathopic- Lupe Belmonte

Neste contexto, compreendi pela primeira vez que para o Pe. Kentenich a Virgem Maria desempenha um papel em alguns contextos sobre os quais não se pode ler nada nos livros de mariologia – e nos quais surge de fora a pergunta: “O que isso tem a ver com Maria?” Mas “de dentro” se vê claramente: desde que se trate de sensibilidade e generosidade, de ação com alma e sincera, de ser genuína e nobremente humano – então para Pe. Kentenich é também sobre Maria. Isso atingia as coisas mais cotidianas: a palavra-chave “Mariano” aparecia no modo de agir ou vestir, de comer, em todo tipo de atividade. Era óbvio para ele que isso resultava de levar a sério a realidade da Imaculada.

Para mim foi uma grande novidade, me aproximei pessoalmente da Mãe de Deus de uma forma que não conhecia antes. Na verdade, não precisei de nenhuma palestra sobre Maria ou sobre a teologia do pecado original, porque experimentei o que é ser mariano no comportamento do Pe. Kentenich. Aqui experimentei uma pessoa cuja sensibilidade da alma era tão pronunciada que superou amplamente todas as divisões e fraturas internas. Essa pessoa era tão harmoniosa e fina no pensar, querer e sentir que eu pressenti a natureza e o ser de Maria.

Para ele, a Imaculada não era alheia ao mundo e à vida.

Assim, as preocupações frequentemente expressas de que não se pode mais falar da Imaculada em nossos dias, de que ela é distante e estranha para o homem de hoje, adquiriram para mim um significado diferente. Este ponto de vista é compreensível. Mas quem experimentou o Padre Kentenich teve uma impressão diferente. Para ele, a Imaculada Conceição não era algo estranho ao mundo e à vida. Ele nos transmitiu que, como ideal, ainda é até certo ponto inatingível para nós, mas está próximo de nós, está conectado com nossas vidas. Quando encaramos com reverência a nossa natureza humana e a assumimos naturalmente na realidade de Deus e da sua graça, então sentimos que a Imaculada Conceição já não está tão longe e distante de nós. Sentimos que ansiamos por uma forma tão integral de ser humano, onde nada desmorona, mas tudo se encaixa. Quando se fala da Imaculada, da Imaculada-educação -o entrelaçamento harmonioso da natureza e da graça, a superação das rupturas do ser humano, consequência do pecado original em nossa natureza-, refere-se exatamente a isso.

exemplo para as pessoas

O poder de convicção do Cristianismo vivo hoje não vem de declarações, mas de ser humanamente atraente. Isso simplesmente me convenceu.”

Fonte: Günther M. Boll: …de todo o coração – José Kentenich – Pedagogo e Fundador

Share

with your loved ones

Related articles that may interest you