Procurar
Close this search box.

Schoenstatt
Apostolic Movement

Kisszelmenc – um pequeno povoado em ação

By: Andras e Idliko Schumicky

Mali Selmentsi (Kisszelmenc em húngaro). Este povoado ucraniano – com 90% de seus habitantes de ascendência húngara – é esquecido por muitos e desconhecido pela maioria. É um assentamento muito pequeno na fronteira entre a Ucrânia e a Eslováquia. Até 2006 esta aldeia vivia isolada do mundo e estava dividida em duas partes. Em 1945, durante a ocupação soviética, a cidade foi dividida em duas e um pequeno “Muro de Berlim” foi construído, impedindo que os membros da família se encontrassem facilmente como antes. Uma metade pertencia à União Soviética e a outra à Checoslováquia. Se os familiares quisessem visitá-los, poderiam fazê-lo fazendo um desvio de 150 km, atravessando duas fronteiras e passando por um difícil procedimento de visto.

Em 2006, foi finalmente aberta uma passagem, que permite o tráfego de pedestres das 7h às 19h. Depois de muitas décadas, os moradores do assentamento dividido puderam voltar ao contato diário.

Em 24 de fevereiro deste ano, a guerra eclodiu. Poucos dias depois, esta fronteira tornou-se uma das rotas de fuga. O povoado tem apenas algumas centenas de habitantes. De repente, foram confrontados com a realidade de que milhares de pessoas encheram as ruas da cidade para chegar ao território da União Europeia, entrando na Eslováquia. Sob a liderança de József Illár, os habitantes de Mali Selmentsi se organizaram para ajudar os refugiados com bebidas quentes e comida. Tudo isso eles fizeram com seus próprios recursos. O dono de uma loja de fronteira esvaziou sua loja de dois andares e a ofereceu para aquecer refugiados, trocar bebês e abrigar aqueles que queriam descansar ou não podiam atravessar a fronteira. Cenas comoventes são comuns aqui, quando jovens mães com seus filhos pequenos se despedem dos pais que voltam da guerra, já que homens em idade militar não podem deixar a Ucrânia.

Os habitantes do povoado acolheram e ajudaram os refugiados durante 24 horas com muito amor e poucos recursos. O Corpo de Socorro da Ordem de Malta em Berehove, a 60 quilômetros de distância e na mesma situação, ofereceu sua ajuda. Nos primeiros dias, eram necessários “apenas” cobertores, porque alojamento, comida e bebida podiam ser fornecidos pela cidade. Nesse meio tempo, ficou clara a importância de ter uniformes adequados para os ajudantes: a população recebeu uniformes quentes, que vieram do Corpo de Socorro da Ordem de Malta na Alemanha, e assim foi estabelecida uma presença da Ordem na fronteira de Kisszelmenc. Sob a direção de Viktória Illár, os voluntários participaram diariamente do atendimento de 1.000 a 1.500 refugiados. Além disso, houve duas ajudas muito importantes: Em primeiro lugar, os líderes e moradores da cidade de Páty, perto de Budapeste, assim como a comunidade católica, fizeram uma importante doação para ajudar os refugiados. Além disso, os malteses de Berehove enviavam continuamente de seu acampamento tudo o que as pessoas precisavam: roupas, alimentos, fraldas, produtos de higiene pessoal, etc. Vários medicamentos, principalmente preparações de insulina, que o município de Páty ajudou a obter, foram vendidos na área.

No lado eslovaco da fronteira, ônibus organizados pelo prefeito da cidade vizinha de Velke Kapusany (Nagykapos) esperavam para levar os refugiados para um lugar quente e seguro e ajudá-los a chegar ao seu destino.
Os voluntários continuam a trabalhar constantemente nesta fronteira. Dezenas de milhares de pessoas a atravessaram desde o início da guerra. Nos últimos dias, a onda de refugiados diminuiu, normalmente apenas algumas centenas de refugiados chegam à noite. A fronteira está um pouco mais tranquila agora, mas quem sabe por quanto tempo.

Share

with your loved ones

WhatsApp
Facebook
X
Print
Email