Procurar
Close this search box.

Schoenstatt
Movimento Apostólico

Jesus – Nascido da Virgem Maria

By: Ir. M. Joséfa Klein

Tão diferente!

Sim, realmente! É precisamente através desta noite sagrada, o Natal, em que Jesus Cristo nasceu, que não só muitas coisas, mas tudo se tornou diferente para nós, humanos. Os descrentes e os críticos podem nos perguntar: realmente? O que mudou? Guerras, doenças, maremotos, catástrofes, perseguições, morte… Nada nos é poupado, nada desapareceu. E com que frequência nos encontramos pessoalmente em situações de sofrimento, nas quais não podemos encontrar Deus. Então é tudo imaginação e piedosos contos de fadas?

Uma contrapergunta um tanto provocadora: Jesus nos promete uma terra de leite e mel? Pelo contrário, ele prepara todos os seus discípulos para tempos difíceis e lhes pede que carreguem sua cruz pessoal com ele e como ele. O próprio Jesus não excluiu o sofrimento e a morte em sua própria vida, mas o suportou até o fim. Ele está lá, especialmente nas profundezas de nosso sofrimento.

Deus é muito diferente!

Deus parece ser sempre muito diferente do que imaginamos ser. Ele não é o grande mágico e benfeitor que gostaríamos que fosse, que simplesmente tira todo o sofrimento do mundo e cumpre todos os nossos desejos. A experiência do sofrimento e as nossas ideias de Deus muitas vezes não se encaixam. É precisamente esta tensão que muitas vezes experimentamos que é o “fruto da discórdia”. Foi o mesmo para os contemporâneos de Jesus há dois mil anos. Jesus, o filho de Maria de Nazaré, o Messias, não correspondia de modo algum à ideia puramente humana do Redentor e Salvador.

Ele não se apresentou como um rei radiante ou um herói triunfante, mas como uma criança humana pequena e indefesa. Ele não nasceu em um magnífico palácio real, mas em um estábulo pobre. Ele não foi recebido com um tapete vermelho e foi aplaudido solenemente, mas empurrado para fora em frente à cidade. Somente simples pastores e depois dois anciãos no templo viram nele o Messias prometido. Alguns forasteiros, observadores de estrelas do Oriente, também falavam dele como o recém-nascido rei dos judeus. Jungrau Maria

Depois eles disseram: Oh, nós o conhecemos, conhecemos sua família, ele é o carpinteiro da porta ao lado.

Jesus, de fato, realizou muitos milagres de cura, ele curou as pessoas de seu sofrimento. Mas num sentido muito mais profundo, ele é o Rei, o Salvador, a própria vida, o Todo-Poderoso que é rico em misericórdia, o Salvador que cura muitas doenças humanas, aquele que todas as nações irão adorar.

Relativamente poucas pessoas viram mais, viram mais profundamente, viram algo no homem Jesus que é invisível aos nossos olhos. Com os olhos da fé, eles reconheceram em Jesus o Salvador e Redentor prometido.

Teríamos então reconhecido Jesus pelo que ele realmente é?

Resgate do maremoto

Jesus veio para nos salvar de um maremoto que nos rouba mais do que bens terrenos ou vida terrena. Nas Sagradas Escrituras, especialmente na mensagem de Natal, lemos do “Salvador”, da “salvação”, de “Deus conosco”.

“Hoje, na cidade de Davi, nasceu para vós um Salvador; ele é o Cristo, o Senhor” (Lc 2,11).  É assim que os pastores ouvem a alegre mensagem dos anjos.

Nascido da Virgem Maria

Jesus - Geboren

No Natal celebramos o início desta “ação de resgate” de Deus através de seu Filho unigênito. Esta salvação está intimamente ligada à Virgem Maria, a mãe de Jesus.

No Credo Niceno-constantinopolitano, que amadureceu nas discórdias dos primeiros séculos cristãos, se diz: “Cremos… em um só Senhor Jesus Cristo… E por nós, homens, e para nossa salvação, desceu dos céus se encarnou pelo Espírito Santo, no seio da Virgem Maria, e se fez homem” (Louvor a Deus / Gotteslob 586, 2).

Portanto, foi muito importante para as primeiras comunidades cristãs ver que Deus realizou seu plano de salvação através de Maria. Se Jesus ou a própria Maria revelaram os segredos do nascimento de Jesus aos apóstolos e discípulos não é mencionado diretamente nas Escrituras. Mas evidentemente a opinião geral era que Jesus, a Palavra eterna do Pai eterno, o Mais Puro, só poderia realmente nascer em um “palácio real”, em uma morada digna dele, do ventre de uma mãe que nunca foi tocada pelo pecado.

Mais tarde, os teólogos refletiram repetidamente sobre este mistério da maternidade virginal de Maria até encontrarem uma justificativa satisfatória na formulação: Maria foi preservada da culpa hereditária em vista da morte redentora de seu Filho. Em nenhum momento de sua vida ela foi tocada pela torrente do pecado. Ela é a pré-redimida, a totalmente redimida e a primeira redimida de toda a criação. A onda destrutiva da inundação parou diante dela.

Um incidente na história do povo israelita ilustra a importância de Maria como a nova Arca da Aliança de Deus para nós. O povo de Israel, que há muito tempo vagueava pelo deserto, queria atravessar o Jordão. Josué encorajou o povo com a seguinte palavra de Deus:

“Eis que a Arca da Aliança do Senhor de toda a terra passa diante de vós pelo Jordão. Assim que as plantas dos pés dos sacerdotes que levam a Arca do Senhor… estiverem nas águas do Jordão, as águas do Jordão que descem de cima serão cortadas e ficarão ali como um muro”. (cf. Jos 3, 11-17).

De fato, foi assim que aconteceu. Foi a Arca da Aliança, a presença de Deus, que permitiu que o povo passasse com segurança através das correntes de água.

Os paralelos com Maria são muito fáceis de ver. Maria é a arca da Nova Aliança porque ela carregou Jesus Cristo em seu ventre. Deus está presente nela. Onde quer que ela ponha os pés, o mal e os ímpios devem ceder. Até hoje, sua tarefa é afastar de nós as ondas de pecado e nos conduzir com segurança à terra prometida, ao Reino de Deus.

Pode-se perguntar: até que ponto realmente conhecemos “Maria, a original”? A imagem ideal de nossa humanidade feita por Deus precisa realmente de uma atualização feita pelo homem, uma nova versão 2.0, como é frequentemente exigido?

Não é antes que todos os que pertencem a Cristo precisam de “Maria, a original” para caminhar juntos em um bom caminho de renovação para o futuro?

Recentemente, um homem nos escreveu sobre como ele experimenta a proximidade curativa de Maria em tempos de crise e como o encontro com ela aumenta sua alegria na Oração de Jesus, que ele vem praticando há 18 anos:

Estou muito feliz por ter encontrado um pedaço de lar em Schoenstatt, mesmo nos maus momentos em que estamos vivendo. Minha esposa e eu temos um grande quarto com plantas. Ela o chama de “Oásis Silencioso”. No centro, colocamos um grande quadro da Mãe Três Vezes Admirável de Schoenstatt. Quando não aguento mais, ou quando minha doença se torna muito forte, sento-me diante desta imagem e deixo que ela atue sobre mim em silêncio. Depois disso, sempre me sinto bem e posso voltar às minhas atividades diárias. Nossa Senhora cuida de nós e acredito que ela também nos guia através da vida. Por fim, ele diz: “Depois disso, estou sempre ansioso para rezar novamente a Jesus”.

Meditação sobre a imagem

Jesus - Nascido

O quadro na capa de nossa carta, pintado por uma das Irmãs, Ir. M. Roswina Hermes, pode nos inspirar a esta e muitas outras reflexões. Aqui estão alguns impulsos para continuarmos refletindo:

O centro da imagem é Jesus quando criança.

Maria, sua mãe, se projeta de fora, da borda do quadro, em direção a este centro. Ela brilha como seu filho com uma luz quase deslumbrante. Jesus jaz nos braços estendidos de Maria. Estes braços recebem e transmitem ao mesmo tempo.

A túnica vermelha e escura de Maria, embora grande e poderosa, é empurrada para o lado por esta luz.

Ambos estão rodeados por uma coroa de chamas vermelhas brilhantes. Involuntariamente, vem à mente a história da sarça ardente. Moisés ouviu o nome de Deus da sarça espinhosa: “Eu sou aquele que Sou”. No mistério do Natal, este nome de Deus é realizado através de Maria, a Virgem.

Tanto Jesus como Maria são desproporcionalmente grandes em relação à multidão de pessoas que se aglomeram ao redor de uma pequena igreja, aqui retratada como um Santuário de Schoenstatt.

A imagem nos leva ao mistério histórico do Natal, um mistério divino.

Os anjos também são testemunhas disso. Na imagem no canto superior esquerdo, um é retratado com um rosto e asas.

Ao mesmo tempo, a pintura têxtil retrata o acontecimento da Noite Santa como um milagre sempre novo do nascimento de Cristo na atualidade, ou seja, no coração daqueles que esperam e pedem com as mãos e cabeças erguidas para receber Jesus.

Onde Maria está, Deus está,

onde Maria está, ela traz Jesus.

Onde Maria está, ali ela se torna brilhante e pura.

Onde Maria está, a corrente da graça flui.

Onde Maria está, o encontro com Deus acontece.

Natal hoje.

Natal no coração.

Natal em mim.

Share

with your loved ones

Related articles that may interest you