Procurar
Close this search box.

Schoenstatt
Apostolic Movement

Inscrito no coração: A Hungria define a missão do seu Santuário Nacional

By: Ir. Gertrud-Maria Erhard

“Szeretet áradjon köztünk… Que o amor flua entre nós, que o amor arda dentro de nós, que o amor nos preencha, nós lhe pedimos, Senhor. Que sejamos unidos em nossos corações em amor fraternal, somos todos um só coração em Ti. Inflame nossos corações em seu amor”.

Este é o trecho de uma canção húngara frequentemente cantada no país e, especificamente, na Família de Schoenstatt da Hungria. A canção capta um traço característico dos húngaros: eles são “pessoas de coração”. Da mesma forma, são também conquistadores altivos que, segundo a tradição, presumivelmente vieram a cavalo dos Urais há muitos anos e conquistaram a Bacia dos Cárpatos, sua atual terra natal.

Durante a “Semana de Outubro” deste ano, que é a conferência anual da Família de Schoenstatt, cerca de 60 representantes dos grupos do Movimento se reuniram em busca do nome que representa a missão do Santuário Nacional de Óbudavár, no Lago Balaton. Por quase 40 anos, a Família tem se reunido para conferências nesse local, onde um florescente Centro de Schoenstatt tem crescido lentamente. O primeiro Santuário de Schoenstatt em solo húngaro está ali há 18 anos. É uma fonte de graças, paz e alegria, um “Tabor” para inúmeras famílias, jovens e crianças.

Muitas questões e muita reflexão

Que experiências já tivemos em Óbudavár? O que o Santuário de Óbudavár significa para nós? Quais são nossas raízes, nossa motivação, que frutos já colhemos? Como se deu a construção do Santuário e do centro? Como vivenciamos o carisma do Pe. José Kentenich aqui, especialmente no crescimento e na liderança de nossa comunidade? Como surgiu o projeto “Caminho Matrimonial”, que se espalhou muito além das fronteiras da Hungria em um curto período de tempo? Qual é o objetivo da segunda versão do Caminho Matrimonial: O Caminho do Matrimônio à Luz da Eucaristia? Como surgiram as comunidades juvenis húngaras?

Qual é o perfil cultural, o caráter dos húngaros? Como nosso Santuário surgiu como fruto de mais de 100 Santuários Lares? O que significa para nós o sacrifício da vida de Csaba Ozsvári e de muitos outros de nossos entes queridos? O que os símbolos em nosso Santuário significam para nós: a grande talha, a Cruz da Unidade Húngara, a estátua da família real húngara (Stefan, Gisela e Emmerich, que pertencem à fundação do Império Húngaro)? O que significa para nós a coroa húngara da Rainha da Vida, o jardim mariano que circunda o Santuário? Todos são sinais de vida e devoção…

Foram feitas apresentações curtas de 15 minutos sobre todas essas questões, ilustrando vividamente a rica vida da Família de Schoenstatt húngara.

As conclusões levam à missão do Santuário

Na etapa seguinte, os elementos que se tornaram importantes nesse processo de vida, no Movimento e nos corações de cada um, foram recolhidos e reunidos em grupos maiores e menores. Os elementos e os símbolos formulados incluem a Sagrada Família Real, a doação e a aceitação de si mesmo, a generosidade, a casa de Maria, “viver a vida”, a comunidade de corações, a vinculação com o outro, a unidade, a rede de Santuários Lares, o jardim mariano, a janela para o céu, Sursum corda (corações ao alto)…

Durante a Semana de Outubro, foi possível sentir a presença do Espírito Santo e o poder da unidade. Como um milagre, todos os presentes experimentaram como o nome e a missão do Santuário Nacional de Óbudavar nasceram no “fervor revolucionário” de 23 de outubro (feriado oficial, em memória da Revolução Húngara de 1956):

O Santuário dos “corações inscritos um no outro”

Esse nome é contextualizado em vários aspectos. Expressa a relação dos casais e a qualidade da relação em geral, a Aliança de Amor, o dom total e a aceitação de si mesmo, a dimensão eucarística e trinitária do sacramento do matrimônio, a relação com Maria na Aliança de Amor, a conexão dos Santuários Lares entre si, a unidade de toda a Família de Schoenstatt húngara e da Igreja. Finalmente, trata-se do amadurecimento do amor e da Aliança de Amor até as camadas mais profundas, a inscrição dos corações uns nos outros, a “Inscriptio cordis in cor”. Trata-se de uma profunda comunhão de coração e de destino, que recebemos e podemos esperar como uma graça no Santuário em Óbudavár.

“Szeretet árodjon köztünk … Deixe o amor fluir entre nós…”

“Gostaríamos de nos entregar aos mestres artesãos, o Salvador e a Mãe de Deus, não apenas com o desejo, o pensamento e com a memória, mas, acima de tudo, de acordo com o coração. Não estamos satisfeitos com uma comunidade de vontades. A meta é mais elevada. Estamos nos esforçando por uma pronunciada comunhão de corações, por uma perfeita fusão de corações, pela inscriptio perfecta cordis in cor” Pe. José Kentenich, Terceiro Documento de Fundação, 08 de dezembro de 1944, p. 76 f.

Share

with your loved ones

WhatsApp
Facebook
X
Print
Email