Procurar
Close this search box.

Schoenstatt
Movimento Apostólico

Em missão com crianças autistas pela Aliança de Amor

By: Ir. Gloria Maria de Melo Leite / Karen Bueno

Os brinquedos coloridos não são apenas detalhes que enfeitam e alegram a mesa de trabalho da psicopedagoga Maria Claudia Cavalcanti Vasconcelos, em Lajedo/PE, mas são peças essenciais para a tarefa que ela desenvolve. Maria Claudia é dirigente da Liga de Famílias de Schoenstatt e selou a Aliança de Amor com a Mãe e Rainha há oito anos. Além do apostolado com as famílias do Movimento, a psicopedagoga tem também uma missão especial com outras famílias. Em sua atuação profissional, ela acompanha crianças e adolescentes com autismo, buscando formas de ajudá-los a superar as dificuldades de aprendizado e de convívio. Unido a isso, Claudia recebe pais e mães, muitas vezes aflitos, que lhe confiam suas incertezas e necessidades na formação das crianças.

Tendo a Aliança de Amor como base e pilar para este trabalho, Maria Claudia conta mais detalhes:

A sua especialização profissional é em “Inclusão Escolar nos Transtornos do Neurodesenvolvimento de Autismo e suas Comorbidades”. Por que a opção por esta especialização?

Sempre me interessou entender como se dá o desenvolvimento da aprendizagem e principalmente, quando ela não acontece, entender para poder intervir de forma assertiva e, assim, ajudar as crianças e os adolescentes a superarem suas dificuldades, podendo ter um desenvolvimento satisfatório, possibilitando o seu sucesso acadêmico.

Schoenstatt tem a missão da renovação do mundo. Nesse sentido de que forma o seu trabalho contribui nesta renovação no âmbito familiar, escolar e social?

Antes de mais nada, acho admirável o trabalho e o carisma do Movimento Apostólico de Schoenstatt. Quanto mais conhecemos, mais ficamos encantados com a sua missão e que de fato tem o poder de transformar vidas. A atuação psicopedagógica tem seu foco na aprendizagem humana que engloba os padrões evolutivos normais e patológicos e a influência do meio, ou seja, família, escola e sociedade. Dessa forma, por meio da avaliação com a criança ou o adolescente que apresenta atraso em sua aprendizagem, conseguimos apontar as hipóteses e posteriormente é elaborado um plano interventivo. Para isso, é necessário a participação efetiva da família e da escola, ou seja, o papel do psicopedagogo é mediar essa interação com o objetivo de promover o desenvolvimento desse indivíduo para que futuramente ele saiba se colocar na sociedade.

 

Durante a pandemia, quais iniciativas você teve para continuar sua missão apesar dos muitos limites de um contato virtual ou de proximidade física?

Nessa ocasião acredito que todos tivemos que nos reinventar, o que antes nos parecia algo distante, de repente foi o que tínhamos: o atendimento online. De início houve uma certa insegurança, achando que as crianças não iriam corresponder, visto que a maior parte delas é de autistas. Mas, as dificuldades foram sendo superadas e com a dedicação dos pais obtivemos resultados muito positivos e gratificantes para todos.

Na sua opinião, a formação que você recebe de Schoenstatt lhe confere um diferencial no exercício da sua tarefa? Cite exemplos.

Sim, em Schoenstatt aprendemos a valorizar o ser humano, enxergar no outro valores e também suas fraquezas, procurando não fazer julgamentos, assim como a nossa Mãe e Rainha acolhe a todos. Na minha atuação de psicopedagoga lido diretamente com vidas, mães e pais que chegam trazendo seus conflitos e incertezas. Muitos até se sentindo fracassados como pais, pois dizem não saber o que fazer o com o seu filho(a) e estão ali em busca de uma orientação. Nesse momento é necessário que eu tenha a sabedoria para, de alguma forma, orientá-los. Para isso, além do conhecimento teórico e científico, preciso ter esse olhar de acolhimento.

A partir de sua experiência profissional, como a sociedade poderia se comprometer mais com este público?

Entendemos que a família é o ambiente em que a criança tem o seu primeiro convívio social. Quando existe uma criança que necessite de cuidados especiais, a família precisa, antes de mais nada, aceitar e buscar as intervenções necessárias. A partir daí a escola é o ambiente que vai proporcionar um contato social mais amplo, no qual, pela Lei da Inclusão, todos, independentemente de qualquer coisa, têm o direito à educação. A escola inclusiva deve ser pautada na ética e sustentada em atitudes de responsabilidade com envolvimento afetivo com o outro, respeitando as diferenças de cada ser humano. No plano social é necessário mais engajamento das pessoas envolvidas para cobrar, junto ao poder público, a criação de politicas públicas que possam oferecer uma melhor qualidade de vida para esses indivíduos que carecem de uma maior atenção.

Share

with your loved ones

Related articles that may interest you