Procurar
Close this search box.

Schoenstatt
Movimento Apostólico

Cuidar do doente, cuidando das relações – Com os olhos de Maria!

Neste ano de 2024, o Papa Francisco dedica sua mensagem para o Dia Mundial dos Doentes (11 de fevereiro) a falar de um tema muito especial para a Família de Schoenstatt: os vínculos. Justamente quando celebramos 75 anos do 31 de Maio, o Papa convida a “Cuidar do doente, cuidando das relações” – leia aqui a mensagem completa.

A Ir. M. Teresa Olivares, do Instituto Secular das Irmãs de Maria de Schoenstatt, é médica especialista em cuidados paliativos. Ela trabalha em um hospital público de Santiago, Chile, de onde comenta, em entrevista, a mensagem do Papa.

Irmã, o que significa, segundo seu ponto de vista, cuidar dos enfermos a partir da Aliança de Amor? Em outras palavras, como este vínculo com a Mãe influencia no cuidado aos pacientes?

Eu creio que cuidar das pessoas, a partir da Aliança de Amor, recorre ao termo “cuidar” propriamente. Para mim trata-se, em primeiro lugar, de poder olhar a pessoa através dos olhos de Maria. Eu me recordo de algo, de quando estava estudando Medicina: evidentemente, todo sofrimento é muito interpelador; ele faz com que se questione muitas coisas. Também surge a pergunta: onde está Deus em meio a todo esse sofrimento? E eu me lembro que, num processo de olhar tudo o que isso significa, me dei conta de que Deus está em cada um de nós e cuidando daqueles que sofrem, não somente dos médicos e dos profissionais da saúde, mas de todos aqueles que são testemunhas, por assim dizer, do sofrimento e da dor do outro.

Evidentemente, o cristianismo tem em seu centro o cuidado pelo mais vulnerável e pelo enfermo. Mas eu creio que Schoenstatt tem como seu carisma, no centro, ver todo esse sofrimento com os olhos e o coração de Maria. Isso é uma forma distinta de ver, não é melhor nem pior que outras, simplesmente é uma forma diferente de poder olhar. E isso faz uma grande diferença na vida prática.

A partir desse olhar – que vale também para os [profissionais] homens – podemos buscar a delicadeza, a dignidade… Por exemplo, ao descobrir o paciente para examiná-lo, se for necessário, ou não descobri-lo, se não for necessário, na limpeza do ambiente… Claro, tudo isso falando sobre o ambiente mais técnico, mas não se trata de dedicar-se apenas às pequenas coisas e esquecer-se do motivo para o qual se está ali efetivamente, que é para implementar um tratamento, fazer um diagnóstico. Essas coisas, que parecem detalhes, para alguém que olha com os olhos de Maria, não são nenhum detalhe.

E preocupar-se não só pelo entorno físico, como também pela família, pelos seres queridos, pelos aspectos sociais, psicológicos e espirituais do paciente. Essa é uma forma de olhar a ele e olhar seu sofrimento através dos olhos de Maria.

E, por último, olhar o sofrimento pelos olhos de Maria é também essa forma crente ao pé da cruz do Senhor, que nunca cai no desespero, no pessimismo absoluto, ou no niilismo mais terrível, porque sempre sabe que o Pai sustenta os braços da cruz de seu filho.

Podemos dizer: é ter a fé de Maria, o coração de Maria, os olhos de Maria, as mãos de Maria… tudo isso somos nós quando estamos frente ao nosso trabalho.

Ir. M. Teresa é médica internista, especialista em cuidados paliativos

O que a senhora diria a uma pessoa que enfrenta uma enfermidade e às pessoas que acompanham os enfermos?

Eu lhes diria, em primeiro lugar, que isso não é um castigo e não se trata de buscar algo como “fiz algum mal em minha vida para estar passando por isso”. Eu sei que num primeiro momento sempre nos perguntamos: por que para mim essa dor? Por que para mim esse sofrimento? O que eu fiz para merecer isso? Surgem muitas perguntas como: eu me cuidei tanto, então por que isso ocorreu? Eu acredito, e também do ponto de vista psicológico, que isso ajuda pouco; não nos ajuda a crescer e nem a superar.

Eu creio que são essas duas coisas [que podem ajudar]:

– Primeiro, essa fé crente em um Deus que é bom, que não quer meu mal, que não está me castigando, mas que efetivamente está me sustentando. Eu acredito que essa é uma das primeiras coisas.

– E em segundo lugar, captar que uma enfermidade, um sofrimento, sempre implica um processo, um processo que é lento, que não acontece de uma hora para outra, mas que necessita ir avançando e crescendo nele e ir descobrindo o porquê das coisas.

Eu conversava com uma paciente que apresenta um quadro muito difícil, pois ela tem uma enfermidade que compromete todo o seu intestino, desde a boca até embaixo, e não poderá voltar a comer nunca mais, terá que se alimentar por uma sonda direto ao intestino ou por uma veia. Eu tive que fazer justamente todo um processo com respeito a isso. E começamos: isso é assim, esse é o seu sofrimento, você não poderá voltar a comer as coisas que gostava e também as que não gostava tanto, mas é uma dor, é algo que tem que fazer. Por outro lado, conversamos e estamos fazendo muitos esforços para que ela possa se alimentar por outras vias e possa seguir se nutrindo. Então, a pergunta é: por que vamos fazer isso? Há muito que não se pode fazer, mas, há também tanto que, ao mesmo tempo, se pode fazer, tanto por quem se entregar, tantas coisas que se abrem em uma situação como essa.

Com mais de 20 anos de vida consagrada, Ir. M. Teresa se preocupa em ser uma presença de Maria para os seus pacientes

Este ano, quando celebramos os 75 anos do “31 de Maio”, a mensagem do Papa Francisco para o Dia Mundial do Doente fala exatamente sobre os vínculos. Ele nos pede que cuidemos das relações e escreve: “cuidar do doente significa, antes de mais nada, cuidar das suas relações, de todas as suas relações: com Deus, com os outros – familiares, amigos, profissionais de saúde –, com a criação, consigo mesmo”. Como a senhora vê essa mensagem e que motivação ela traz para a Família de Schoenstatt?

Um dos vínculos mais relevantes é efetivamente o vínculo às pessoas. E o que celebramos neste 31 de Maio são as pessoas como mediação que, em primeiro lugar, nos levam a Deus, que nos permitem que possamos amar a Deus com nosso coração plenamente humano. Essa é uma das primeiras coisas e, nesse sentido, tanto o enfermo, como quem cuida dele, pode se sentir como mediação e como ponte ao coração de Deus. Eu, como enfermo vulnerável, que necessito dos cuidados de outro, sou uma ponte para que aqueles que cuidam de mim possam chegar ao coração de Deus – e essa é, provavelmente, minha tarefa mais importante. O cuidado, minha vulnerabilidade, meu sofrimento, tudo isso pode ser um caminho para que outros possam chegar ao coração de Deus e amar a Deus com todo seu coração. E isso implica muita humildade, no estou dizendo que seja fácil.

Gosto de pensar no mundo dos vínculos como uma rede, nós necessitamos dos vínculos ao que foi criado, à natureza, às pessoas, às coisas, às ideias, ao trabalho… todos aqueles vínculos e todas aquelas relações que para nós são relevantes vão se constituindo como uma rede, oferecendo suporte ao nosso eu mais autêntico, mais verdadeiro, aquilo que em nós é como luz que nos dá vida e dá vida a outros. Portanto, ir fortalecendo todos esses vínculos, em todos os sentidos, da maneira como fazemos em Schoenstatt. E, com o ardor do nosso coração, saber renunciar, pois isso também é parte do fortalecimento dos nossos vínculos.

Tudo o que significa a educação nas relações humanas e com todas as coisas que foram criadas vão fortalecendo essa rede que vai sustentando quem somos. Isso é claramente muito atual, não somente de modo geral, nas relações com os enfermos, mas em Schoenstatt há uma transcendência e uma profundidade que se arraigam na Aliança de Amor e no Santuário.

Para saber mais sobre o Jubileu do “31 de Maio” clique aqui.

Share

with your loved ones

Related articles that may interest you

Uma Irmã de Maria nas salas do poder da Teologia

Durante séculos, os homens presidiram predominantemente o campo acadêmico da Teologia e os comitês-chave da Igreja, mas as mulheres têm um papel essencial a desempenhar. A Ir. M. Isabell Naumann, Irmã de Maria de Schoenstatt, partilha as suas reflexões sobre o seu caminho de mulher em vários papéis de liderança dentro da Igreja.

Read More »