Procurar
Close this search box.

Schoenstatt
Apostolic Movement

Visita ao campo de concentração de Dachau revivendo a entrega do Pe. Kentenich

By: Heinrich Brehm

Em nome do Movimento internacional de Schoenstatt, cerca de 30 pessoas da Federação, da Liga e do Movimento de Peregrinos foram a Dachau ao memorial do campo de concentração para recordar o 20 de janeiro de 1942, e para reafirmar que ainda hoje “estamos avançando” em solidariedade com o nosso fundador.  O pequeno grupo não se intimidou com o retorno inesperado do inverno.  Os participantes vieram das dioceses vizinhas, especialmente de Augsburgo, Ratisbona, Eichstätt, Bamberga e da Arquidiocese de Munique-Freising.

1943: surto de tifo

Durante o Caminho das Estações se recordaram acontecimentos especiais para o nosso fundador nestas semanas de 80 anos atrás, no inverno de 1943. Nessa época, ocorreu o primeiro surto de tifo no campo, do qual muitos foram vítimas, entre eles o schoenstattiano, capelão Alois Andritzki.  Devido ao aparecimento desta doença, foi imposta quarentena no campo.  Portanto, os padres não puderam trabalhar na plantação por algumas semanas.

O Padre Kentenich aproveitou este tempo dando conferências para os padres.  Muitos agradeceram esse valioso alimento espiritual, inclusive pastores evangélicos.  Através de pacotes, a literatura de Schoenstatt poderia ser introduzida secretamente no campo.  Sabemos que o livro “A Santidade da Vida Diária” foi lido com prazer por muitos, por exemplo, pelo Padre Engelmar Unzeitig de Marianhill.

Lembrando a decisão de 20 de janeiro de 1942

Acima de tudo, queríamos recordar o dia 20 de janeiro de 1942, dia da importante decisão do Padre Kentenich na prisão da Gestapo em Coblença.

Esta data, 20 de janeiro -mas de 1941-, está escrita sob uma foto no quadro de informações perto do centro de visitantes.  Mostra o carro de Himmler na entrada do principal posto de guarda da SS.  Possivelmente ele veio para fins de propaganda, para estar presente na inauguração da capela do acampamento no bloco 26. A singela capela existe desde aquele dia, mas não se pôde celebrar a Missa porque faltava o material necessário.

No inferno de Dachau surge o Cântico da Minha Terra

Na Jourhaus e perto do portão principal “O trabalho te liberta” Anton Pfaffenzeller citou o discurso do nosso fundador em Memhölz.  Nesse momento, o Padre Kentenich recordou o verso da liberdade do Cântico da Minha Terra¹.  Em 2 de fevereiro de 1943, Kentenich colocou em palavras a sua visão da Família de Schoenstatt no Cântico da Minha Terra: “Conhece aquela terra…?”  Se  inspirou na inscrição cínica no telhado do prédio da fazenda para apontar exatamente o oposto como ideal?

Queremos aprender a nos educar sob a proteção de Maria

Atravessamos a Praça da Lista Lase, onde foi erguido o memorial em 1968. A irmã M. Elinor Grimm disse que as palavras “Nunca mais” frequentemente faziam os alunos refletirem.  Para ela, está cada vez mais claro que as pessoas não podem fazer isso sozinhas, que precisamos de ajuda de cima.  Assim nos dirigimo ao Salão da Memória para confiar em silêncio todas as nossas intenções à nossa Rainha, a Educadora dos Povos.  Quanta falta nos faz os conselhos do nosso grande educador, desde o Ato Pré-fundação de 1912, que dizia aos meninos como diretor espiritual: “Queremos aprender a educar-nos sob a proteção de Maria…”.  A Ir.  Elinor chama a atenção para uma nova placa comemorativa que foi colocada pela Associação “Selige des KZ Dachau (Beato do campo de concentração de Dachau)”

Conhece aquela terra abundante e pura, reflexo da Beleza eterna?

Devido à neve, todo o campo foi envolto em uma impressionante paisagem de neve, intacto,  pacífico, muito diferente do horror de 80, 90 anos atrás.  Mas talvez isso também possa ser um estímulo para nós.  Que, como nosso fundador, não nos deixemos paralisar pelas circunstâncias externas, mas continuemos tentando trabalhar positivamente, confiando na realidade do sobrenatural e na união na comunidade espiritual.

Que nos comprometamos e não percamos nossos ideais.  “Conhece aquela terra abundante e pura, reflexo da beleza eterna?”  – Quanto esta paisagem nevada pode nos lembrar do verso da pureza!  Paramos brevemente na enfermaria, onde o prisioneiro Dr. Pesendorfer atendia tão dedicadamente a seus companheiros, incluindo o padre Eise.

Encontro com o comunista Hugo Gutmann, chefe do bloco

No que havia sido o bloco 13, recordou-se o diálogo entre o P. Kentenich e o chefe dos prisioneiros daquele lugar, o comunista Hugo Gutmann, e a sua reação à resposta do padre.  “Vocês pregadores falam de Deus! Nunca o encontrei neste lugar. Talvez você o tenha encontrado?”, desafiou Gutmann, olhando para Kentenich diretamente no rosto, na esperança de intimidá-lo.  Mas o pai respondeu com calma e confiança: “Se você ainda não encontrou com Deus aqui, com certeza já viu o diabo.”  Esta resposta, expressa com dignidade pelo Pe. Kentenich impactou a Gutmann, e desde então eles tiveram uma relação de respeito e valor mútuo, que valeu ao padre que o chefe do bloco o protegia sempre, e entre outras coisas, arriscando sua vida, também do transporte de inválidos para a morte, para Hartheim.

O padre Kentenich passou mais tempo no bloco 26, dos sacerdotes, desde outubro de 1943 até sua libertação, em 6 de abril de 1945. A maioria das orações que conhecemos do livro de orações “Rumo ao Céu” foram escritas lá.

Missa no campo de concentração

O toque do sino às três da tarde impressionou a nós e aos demais visitantes.  Ao mesmo tempo, foi para nós um sinal de que a Missa estava prestes a começar.  A forma de missa escolhida foi a Missa de Maria “Mãe da Unidade”, apropriada para a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos.  Na missa, as canções do cancioneiro “Em chamas” foram acompanhadas por violão e flautas.  No lugar de um sermão, ouvimos o texto da Carta de Aliança para criar um ambiente: “Com toda a Família de Schoenstatt recordamos o dia 20 de janeiro de 1942. Em meio à ameaça existencial do Nacional-Socialismo, irrompe um novo processo criativo de vida. Também ali o lema é “Juntos, escutamos a Deus”.

Confiança total no Deus da vida

O Padre Kentenich se confia totalmente ao Deus da vida.  Não escolheu a opção pela eventual possibilidade de que o médico da prisão o declarasse incapacitado para evitar ser enviado ao campo de concentração de Dachau. Para os seus seguidores em Schoenstatt, esta decisão implicou um grande desafio de fé.

O Padre Kentenich estava convencido em seu coração de que “a Família de Schoenstatt está trilhando este caminho comigo”.  É o “nós” da Aliança de Amor com a Santíssima Virgem que nos sustenta, que une os nossos corações uns aos outros e nos torna responsáveis ​​uns pelos outros.  Durante a ação de graças rezamos a oração do ano (Carta de Aliança) e renovamos nossa Aliança de Amor.

Seguindo os passos de entrega radical do Pe. Kentenich

Esta foi uma jornada não só de memória ativa, mas, e muito especialmente, de renovação de ideais, de entrega radical por Jesus e Maria, pela Igreja e pelo mundo inteiro, seguindo os passos do fundador de Schoenstatt, o Pe. Kentenich, que marcará para todos nós presentes o caminho da santidade em plena liberdade dos filhos de Deus.

 

Share

with your loved ones

WhatsApp
Facebook
X
Print
Email