Procurar
Close this search box.

Schoenstatt
Movimento Apostólico

Um guia para a luz: Uma experiência com o Padre Kentenich

By: Pe. Josef Fleischlin

Foi uma experiência inesquecível para mim. Eu havia levado meu gravador, que tinha no meu trabalho anterior, e tive que sentar bem perto do púlpito para posicionar o microfone. Então, agora pude vivenciá-lo de perto: este homem que, há cerca de 20 anos, ainda vestia roupas de prisioneiro e depois teve que experimentar tanto sofrimento por parte da Igreja, na verdade a injustiça, foi capaz de falar do amor de Deus dessa forma! Isso me impressionou muito. E depois, a interpretação sobre o Concílio, a comovente interpretação que a Igreja fez da situação.

1966 foi o ano seguinte ao Concílio. A Igreja estava passando por um tremendo período de mudanças. As pessoas pensavam: Agora tudo vai mudar! Agora as coisas estão avançando! E nós, que acabávamos de viver o regresso do exílio do Pe. Kentenich, naturalmente esperávamos por vários motivos: agora tudo será diferente e melhor.

E então o Pai interpretou a situação, e para mim essa foi a primeira orientação fundamental para o caminho a seguir. Ele afirmou plenamente tudo aquilo que o Concílio estava buscando quando disse: Aggiornamento (adaptação ao mundo de hoje), que é a atuação do Espírito Santo. Mas, em seguida, ele disse também: Sim, mas também devemos estar alertas, pois essa luta pela renovação também pode se tornar um vício em inovação. Ela também pode ser mal utilizada por outro espírito menos bom. Essa foi, de fato, uma orientação fundamental para mim.

Caminhando pela montanha: do nevoeiro para a luz

Foto: Manohar Manu, unsplash

A forma como ele interpretou a situação foi, para mim, a primeira orientação fundamental para o resto da viagem. A maneira como ele fez isso me deu uma imagem básica: eu via como uma caminhada pela montanha, quando você começa no meio da neblina, no fundo do vale, e sobe por horas, na esperança de atravessar o mar de nevoeiro até alcançar a luz. Em um avião, claro, você pode fazer isso em dois minutos. Mas em uma caminhada, quando você atravessa a neblina por horas e depois chega até a luz, lá em cima, e vê o céu azul, o sol, o calor, a vista das montanhas, isso é outra coisa. E para mim, essa foi a imagem básica que me conectou com o Padre Kentenich durante esse retiro: Um homem que está na luz, que está lá em cima na luz, na visão divina, e a partir de lá tenta interpretar as conexões para nós.

Um homem que permanece na luz

Sim, e então voltamos a descer para a neblina, e ele nos pegou de novo lá embaixo, na próxima palestra, e pacientemente subiu conosco novamente, cada vez de novo… Ele não fica parado lá em cima e nos diz: “Ei, é lindo lá em cima, subam aqui também!” Em vez disso, ele percorre o caminho, caminha conosco, ele nos pega pela mão, por assim dizer, e percorre conosco o caminho em direção à luz.

O homem que está na luz! E acho que posso dizer que esta é ainda hoje uma experiência fundamental para mim, quando faço uma “leitura do Pai”, como dizemos aqui, ou seja, quando leio os escritos do Padre Kentenich e simplesmente entro novamente nessa visão de mundo, em sua profunda visão espiritual de mundo, e compartilho sua cosmovisão.

Um prisioneiro de campo de concentração que pode falar assim sobre o amor de Deus

Como conclusão, de repente entendi melhor uma palavra que lemos com tanta facilidade na Bíblia do Antigo Testamento: O Deus de Abraão, o Deus de Isaque, o Deus de Jacó. Sim, para mim Deus tornou-se acessível como “o Deus do Padre Kentenich”.

Quando alguém que passou pelo inferno de Dachau, que viveu tantos anos no exílio, fala sobre o amor de Deus e a maravilhosa orientação de Deus em cada vida, qualquer pessoa que possa falar sobre isso dessa maneira realmente teve uma experiência de Deus na qual posso confiar. Para nós, o Deus de Abraão é precisamente o Deus do Padre Kentenich. Ele o experimentou, o viveu e nos tornou participantes da sua experiência de Deus. E gostaria simplesmente de dizer que isso tem dado à minha vida sacerdotal estabilidade e orientação ao longo de todos esses 50 anos.

Depois teve um segundo retiro, um ano depois. Em seguida vieram as grandes Semanas de Outubro e as Conferências de Natal, nas quais ele deu continuidade a esse trabalho e onde simplesmente ficamos novamente maravilhados com a visão soberana que ele captou os últimos acontecimentos da Igreja, mas também da sociedade, e os abriu a partir dessa dimensão espiritual.

Share

with your loved ones

Related articles that may interest you