Imagine passar umas férias tendo de dormir no chão, tomar banho gelado, talvez em algum vilarejo sem sinal de internet. Parece estranho e bem pouco convidativo à primeira vista. No entanto, isso faz parte da vida de centenas de jovens de Schoenstatt da Argentina no período de férias de verão, entre o final e o início de um novo ano.

Completamente desconectados da bagunça do mundo agitado, mas conectados uns com os outros, eles vivem a experiência das missões. A juventude dedica seus dias livres para visitar casas e lugares, levando a imagem da Mãe e Rainha e as graças do Santuário.

Missão Ignis Mariae

240 jovens das Províncias de Salta e Tucumán estiveram reunidos de 26 de dezembro a 4 de janeiro para a Missão Ignis Mariae. Eles passaram juntos a virada de ano.

Josema Sanguinetti, da Juventude Masculina de Salta, diz: “Missionar é o melhor estado do homem, porque é um estado de serviço, de converter-se em puro instrumento de Deus, porque Deus nos dá a possibilidade de deixar de lado nossos problemas, nossas preocupações, para sermos servos Dele”.

Segundo Josema, os desconfortos se tornam pequenos para um coração missionário: “Quando as forças não são mais suficientes nesses 10 dias, basta olhar para o lado e ver como ao seu redor há pessoas dispostas a ajudá-lo a se levantar, a continuar na missão. Essas pessoas loucas que, quando lhes pediam que pulassem, o faziam, que trabalhavam a serviço dos demais no silêncio, sem buscar os holofotes, e que nos motivam a ser melhor filho, melhor servidor. Não há palavras suficientes para descrever o que se vive ali. Missionar é o melhor estado do homem”.

Missão MTA, “Vem e verás”

Nesse mesmo período, jovens universitários de Buenos Aires realizaram a Missão MTA, sob o lema “Vem e verás”. 200 missionários, acompanhados por quatro Padres de Schoenstatt, um sacerdote diocesano e dois seminaristas, visitaram a cidade de Carlos Casares, na Diocese de 9 de Julio.

O Pe. Juan Molina comenta: “A Missão MTA é a maneira pela qual muitos jovens do Movimento saem para levar a presença da Mãe de Deus, pela imagem da Mãe Peregrina, que traz alegria para nossas vidas. Ao mesmo tempo, é também uma grande oportunidade para muitos jovens conhecerem o Movimento de Schoenstatt”.

No dia 31, todos os missionários se reuniram para celebrar o ano novo juntos, em uma Santa Missa presidida por Dom Ariel Torrado Mosconi, bispo da Diocese de 9 de Julio. Na missa, o bispo destacou: “A visita dos jovens missionários renova a esperança das comunidades por meio de seu testemunho de generosidade, sacrifício e alegria”. E acrescentou: “Eles são uma semente que o Senhor fará frutificar no seu devido tempo”.

A missionária Pilar Durañona diz: “Essa missão permitiu que eu me encontrasse sempre aberta a surpreender-me e a seguir o espírito que foi brotando dia a dia”. Pachi Ambroa também resumiu: “Durante esses dias, a Mãe de Deus convidou cada um de nós a sermos autênticos instrumentos dEla e de Jesus. Sou imensamente grata”.

Missão GM: “Com os pés na terra e os olhos no céu”

De 26 de dezembro a 3 de janeiro também aconteceu a Missão Universitária GM -“Gaudium Mariae”- na cidade de Arroyito, província de Córdoba. Foram 9 dias de entrega e amor, sob o lema “Edificando em Cristo, cidade de Maria”.

230 jovens de Córdoba, San Juan, San Luis, Mendoza, Entre Ríos e Corrientes participaram.

Virginia Gazal, da Juventude Feminina de Córdoba, tenta resumir a experiência missionária:

“Sempre perguntam “para você, o que é a GM?” E toda vez que ouvia uma resposta, sentia que não era suficiente. Quando tive que responder, também não consegui descrever essa imensidão.

Mas ela se aproxima um pouco da frase: ‘Com os pés na terra e os olhos no céu’. Com os pés na terra, saindo de nosso metro quadrado que tanto nos cega. Indo ao encontro. Com os pés na terra e, muitas vezes, na lama. Aquela lama que suja nossos sapatos e da qual muitas vezes nos esquivamos. Na GM, nós pisamos nela. Pisamos naquilo que não gostamos de ver. Realidades que estão na porta do lado e que somente nesses 9 dias ousamos tocar.

Com os pés na terra, caminhando e caminhando. Caminhando sem parar, muitas vezes com um companheiro que nos ajuda a tornar o passo mais leve. Nossos pés nos pedem para diminuir o ritmo, nossas pernas não aguentam mais. Mas sabemos que temos que continuar caminhando, alcançando mais pessoas que realmente necessitam de uma mão. Elas precisam de um abraço. Elas precisam de companhia.

Com os pés na terra, mas com os olhos no céu. Esse céu que nos dá esperança, que nos dá amor e força. Olhos no céu e na maior de todas, aquela que primeiro partiu em missão pelo outro e nos deixou essa tarefa. Olhos no céu, olhos em Maria.

Com os pés na terra, mas com os olhos no céu. A GM nos ensina a caminhar por onde quer que andemos, mas sempre olhando para cima, olhando para além do meu nariz, procurando e perseguindo uma esperança que muitos acreditam ter desaparecido”.


Várias modalidades de missão acontecem ainda durante o ano na Argentina e em vários outros países, deixando um rastro missionário de Schoenstatt no mundo e transformando profundamente os corações dos missionários e missionados. Eles partem com os pés na terra e seguindo os passos daquela “que primeiro partiu em missão pelo outro e nos deixou essa tarefa. Com os olhos no céu, olhos em Maria”.