Procurar
Close this search box.

Schoenstatt
Apostolic Movement

Novo Schoenstatt, Argentina: Santuário do Pai, testemunho da cruz e da vitória de Maria – Parte II

By: Ir. Clara María Bercetche

O Santuário de Novo Schoenstatt, na Província de Buenos Aires, Argentina, é emblemático na história de Schoenstatt. Hoje, ele se prepara para celebrar o jubileu de seu 70º aniversário, desde que o próprio Pe. José Kentenich o abençoou. É um lugar que guarda uma incrível história de amor entre Maria e seus filhos, uma história de dor e vitória.

Panorama

Quando partiu para os EUA, em maio de 1948, o Padre Kentenich havia deixado às Irmãs da Província de Nazaré a tarefa de obter o terreno para o Santuário nacional na Argentina. O Fundador acompanhou esta tarefa de perto e, ao retornar à América Latina e perceber a  busca infrutífera, intensificou sua participação, oferecendo o pouco que ganhou com seus retiros. Ele também contribuiu à caixinha do Santuário com o que poupou ao se privar de meios de transporte, andando vinte e cinco quarteirões, no meio do verão, até a estação de trem.

Santuario del Padre

Um episódio inesquecível com um suposto infrator

Entre as muitas anedotas do tempo do Pe. Kentenich na Argentina, relatadas especialmente por Ir. M. Úrsula, as Irmãs recordam uma que causou ao Fundador um incomum incômodo e irritação.

Era 12 de março de 1949. O Padre Kentenich havia viajado de trem de Villa Ballester para Villa Urquiza, na cidade de Buenos Aires, onde se encontrava a casa dos Padres Redentoristas, para pregar retiro. Na casa Marienheim dos Padres Palotinos em Villa Ballester, onde o Padre Kentenich estava hospedado, a Irmã M. Úrsula recebeu um telefonema do gerente da estação de trem de Urquiza. Ela ouve no receptor:

“Temos um sacerdote idoso com o qual, por razões linguísticas, não podemos nos entender. Ele viajou sem bilhete e tem que pagar uma multa de 20 pesos. Como ele não tem o dinheiro, terá que ficar detido por uma noite.”

A Irmã pede para falar pessoalmente com o Padre Kentenich. Ele lhe diz que pagou seu bilhete e o entregou ao inspetor, e que o inspetor não o devolveu, e que não pagaria a multa, porque isso não seria justo. A Irmã decidiu viajar para resolver a disputa pessoalmente. Chegando à bilheteria em Villa Ballester, ela perguntou ao funcionário se ele se lembrava de vender um bilhete naquela manhã a um padre barbudo. Quando ele respondeu afirmativamente, a Irmã pediu ao homem para ligar para a estação de Urquiza, explicando como as coisas tinham corrido. O homem fez isso, mas em vão. O inspetor não aceitava deixar livre o Padre Kentenich sem pagar a multa, e o padre Kentenich não estava disposto a pagar uma pena por uma falta que não havia cometido. Finalmente, a Ir. M. Úrsula viajou para a estação de Urquiza, e vendo que não havia outra saída razoável, convenceu o Padre Kentenich a pagar a multa.

Ao retornar à sua casa em Villa Ballester, o Padre Kentenich não ficou indiferente ao acontecimento e ditou uma carta à Irmã M. Ursula endereçada ao diretor da Ferrovia, na qual ele expressou sua queixa formal sobre a injustiça que sofreu. No final de seu ditado ele disse à irmã: “Agora… rasgue a carta”.

“Naquela noite, rimos francamente com o Padre Kentenich, recorda a Irmã Úrsula, pela maneira como o retiro havia terminado.”

Um terreno procurado com o Pai

Santuário do Pai

O tempo foi passando e a busca por um lugar para o Santuário das Irmãs na Argentina foi infrutífera. Várias possibilidades de terra surgiram, mas, por uma razão ou outra, nenhuma delas era adequada.

Em outubro de 1950, eles foram visitar um local na cidade de Florêncio Varela. “Era um terreno de nove hectares, com cinco mil cítricos e um lindo bosque, “mas… custou um milhão de pesos! M. Ursula relata: então cantávamos um refrão que dizia: ‘Não poderíamos ter o milhão de pesos? Tínhamos feito um pacto com Nossa Senhora: daríamos a ela um milhão de sacrifícios e ela teria que nos dar um peso por cada sacrifício.”

Mas de repente começou a haver uma inflação alta na Argentina, e então as Irmãs disseram à Mãe: “Agora que há inflação, a Mãe tem que nos dar 10 pesos por cada sacrifício”. Santuário do Pai

Pouco a pouco, eles foram capazes de levantar o dinheiro suficiente para assinar o documento de compra e venda. No dia decisivo, para pagar a última prestação, o Pe. Kentenich estava com as Irmãs, mas para surpresa de todos, o proprietário do terreno aumentou o preço e a operação não pôde ser concluída. O Pe. Kentenich viveu tudo isso com as Irmãs. Finalmente, ele teve que ir ao Chile, e foi lá que recebeu a feliz notícia de que as Irmãs haviam conseguido comprar o terreno. Hoje, o terreno se chama Novo Schoenstatt, e lá se localiza o Santuário Nacional de Schoenstatt na Argentina.

Comunhão de destinos entre o Fundador e a Obra

Aqueles três anos e oito meses de intensa busca do terreno para o Santuário coincidiram com as controvérsias epistolares entre o Padre Kentenich e o Episcopado alemão. Do Uruguai e da Argentina, o Fundador explicou em diferentes cartas o que não era compreendido pela Igreja alemã.

Em 10 de maio de 1949, enquanto estava em Nueva Helvecia, Uruguai, o Pe. Kentenich recebeu uma carta do Arcebispo de Trier, Rudolf Bornewasser. Nela ele foi informado que a visita canônica diocesana seria transformada em uma visita apostólica do Santo Ofício. O Padre Kentenich manteve-se em silêncio e no mesmo dia decidiu escrever a carta de resposta de 31 de maio, e expressou que estava oferecendo todo o seu sofrimento para que o terreno do Santuário na Argentina pudesse ser encontrado.

Um terreno escolhido e confirmado pela Santíssima Virgem Maria
Father kentenich

De acordo com a crônica, em 21 de junho de 1951, a dívida para a compra do terreno foi paga. No mesmo dia, as Irmãs se mudaram para a nova terra. A partir desta terra abençoada, uma grande corrente centrada no Pai continuaria a se espalhar pelo mundo.

A propriedade tem uma forma triangular. Isto está associado com a pessoa de Deus Pai. As Irmãs tomaram-no como um sinal do céu, uma delicada confirmação da Mãe de Deus, de que esta era a terra do Santuário do Pai na Argentina.

Compromisso e sacrifício nos fundamentos e muros

Menos de dois meses depois de tomar posse do local, as Irmãs já haviam lançado a pedra fundamental. Providencialmente, chegou um construtor que queria ficar e trabalhar com elas. Agora podiam vislumbrar a conclusão do Santuário, tinham o construtor, tinham tudo… O que mais poderia acontecer? Alguns dias depois chegou a notícia da Alemanha de que, por decreto do Santo Ofício, o Pai e Fundador havia sido afastado de seu cargo de Diretor Geral do Instituto das Irmãs de Maria.

Isto gerou lágrimas, cruzes e sacrifícios que permaneceram encerrados nas paredes do Santuário na forma de pequenas bolas de cera. Todas as noites as Irmãs entregavam ao Capital da Graças e afundavam-nas nos tijolos das paredes, que se erguiam vitoriosamente, prefigurando um futuro fecundo.

Jubileu do Santuário Nacional de Schoenstatt na Argentina

O Santuário do Pai foi abençoado pelo Pe. José Kentenich, em 20 de janeiro de 1952. Hoje ele está a caminho de celebrar seu 70º aniversário. Novo Schoenstatt, na localidade de Florêncio Varela, Buenos Aires, onde se encontra este Santuário Nacional de Schoenstatt, será o local das celebrações, que acontecerão de 18 a 20 de janeiro de 2022. Mais informações estarão disponíveis em https://www.facebook.com/nuevoschoenstatt.

Share

with your loved ones

Related articles that may interest you