Procurar
Close this search box.

Schoenstatt
Apostolic Movement

Karl Leisner: quando a paixão e o amor determinam uma vida

By: Claudia Brehm

23 de junho é o 25º aniversário da beatificação de Karl Leisner pelo Papa João Paulo II em Berlim durante sua viagem à Alemanha. Quem foi este homem, o único diácono que foi ordenado sacerdote em um campo de concentração durante a Segunda Guerra Mundial, sob o mais estrito sigilo, e cuja força foi sua Aliança de Amor com a Mãe de Deus e sua paixão por Cristo?

 

Cristo – minha paixão

 

Cristo

Em cada vida é decisivo quem encontro, onde e em que momento. Este também é o caso de Karl. Nascido em 28 de fevereiro de 1915, ingressou no Movimento da Juventude Católica quando era estudante do ensino médio. Lá, em 1925, ele conheceu um padre que lhe causou uma profunda impressão: o professor de religião e esportes Walter Vinnenberg. Os ideais do professor e as ideias do movimento juvenil proporcionaram a Karl experiências comunitárias com os jovens, vivências de longas viagens e o entusiasmo pela música e pelo canto. Ele encontrou uma relação íntima com as Sagradas Escrituras, a Missa e a Eucaristia e fez todo o possível para que os jovens que ele liderava se tornassem os jovens de Cristo e não caíssem na ideologia do Terceiro Reich. Em seu diário, ele escreveu: “Cristo – Você é minha paixão”. Convencido de que queria se tornar padre depois de concluir o ensino médio, em 1934, ele começou a estudar teologia em Münster.

O bispo de Münster, Clemens August, percebendo rapidamente as qualidades extraordinárias de Karl como líder juvenil, confiou ao jovem de 19 anos a posição de dirigente diocesano da juventude. Isso significou que ele era responsável por mais de 30.000 meninos entre 10 e 14 anos, nos quais ele queria acender a paixão por Jesus com grande alegria, ímpeto e dinamismo.

Durante o semestre, ele deixou a escola, em Friburgo, e, durante o serviço de trabalho obrigatório no verão de 1936/1937, ele conheceu Elisabeth, a filha da senhoria do lugar que ele alugava para morar. Nessa época, começaram as duras lutas interiores: sacerdócio ou casamento e família? Na Páscoa de 1938 ele confidenciou em seu diário: “Senhor, eu te agradeço por enviar esta bela e crente menina para minha vida”. Por fim, após muita luta, ele decidiu se tornar padre e escreveu a Elisabeth em sua carta de despedida: “Agradeço por sua gentileza e seu amor fraterno. Eu devo muito a você, e Cristo me encontrou em você como ele nunca tinha me encontrado antes”.

Ordenado diácono em 25 de março de 1939, ele esperava ser ordenado sacerdote alguns meses depois. Mas, de repente ele foi diagnosticado com tuberculose grave nos pulmões, o que o forçou a entrar em um sanatório pulmonar para ser curado.

Foi naquele hospital que ele proferiu uma frase que lhe custaria muito caro: “Pena que ele não estava lá”, sobre a tentativa de assassinato de Adolf Hitler por Georg Elser em 8 de novembro de 1939. Isto levou à sua prisão, porque seu colega de quarto o denunciou. Após vários períodos de detenção em várias prisões, ele foi finalmente enviado ao campo de concentração de Dachau, ao bloco dos padres, onde viviam mais de 2.700 sacerdotes de 23 nações, entre eles o fundador de Schoenstatt, Pe. José Kentenich.

Em março de 1942, sua doença pulmonar voltou a se agravar. Sabendo que ele não tinha muito tempo de vida, as Sagradas Escrituras e a Eucaristia, guardadas em segredo, tornaram-se um grande consolo para o jovem diácono. De acordo com seu ideal de servir aos outros como sacerdote, ele acompanhou, espiritual e materialmente, seus companheiros prisioneiros apesar de sua doença, contrabandeando hóstias consagradas para os enfermos e incontáveis moribundos. Muitos contam como ele encorajou e encantou os prisioneiros com orações, intercessão e o entretenimento musical. Até 1942, ele se encontrou com um grupo secreto de Schoenstatt fundado no campo chamado “Victor in vinculis” – vencedores em cadeia – que também incluía o Pe. Kentenich e o Pe. Joseph Fischer. Ele tinha um profundo desejo de ser ordenado sacerdote, o que parecia impossível, já que não havia bispo entre os prisioneiros. Mas o inesperado aconteceu: em setembro de 1944, o bispo francês, Dom Gabriel Piguet de Clermont, chegou ao campo de concentração de Dachau.

O desejo de Karl foi apresentado a ele, e o bispo concordou em ordená-lo. Os preparativos para a celebração foram feitos rapidamente e em segredo: uma carta foi enviada do acampamento ao bispo da casa de Karl pedindo permissão para ordená-lo, vestes episcopais e insígnias foram feitas secretamente dos materiais mais simples, castiçais foram feitos de latas de conserva. No domingo de Gaudete (o terceiro do Advento), em 17 de dezembro de 1944, o bispo Piguet ordenou secretamente o diácono, gravemente doente, no bloco 26, arriscando a vida de todos os envolvidos. Vários sacerdotes presos de todo o mundo impuseram as mãos sobre ele. Ele próprio só pôde participar desta celebração com o maior esforço. Alguns dias depois, no Dia de Santo Estêvão, ele foi capaz de celebrar a primeira e única Santa Missa de sua vida.

Em 4 de maio de 1945, ele foi libertado do campo de concentração. Ele passou suas últimas semanas no Sanatório Pulmonar em Planegg, perto de Munique. Apenas dois pensamentos ainda o dominavam: amor e expiação. Ele morreu em 12 de agosto de 1945. Sua última anotação no diário, em 25 de julho de 1945, dizia: “Abençoe também, Altíssimo, meus inimigos!”

 

 

Share

with your loved ones

Related articles that may interest you

Albert Eise

Recordação dos 80 anos da morte do Pe. Albert Eise SAC

Peregrinos de Schoenstatt se reuniram no campo de concentração de Dachau para recordar a memória de Pe. Albert Eise, 80 anos após sua partida no mesmo campo, e apresentá-lo como exemplo de entrega incondicional aos valores cristãos e à missão do Movimento de Schoenstatt.

Read More »