Procurar
Close this search box.

Schoenstatt
Apostolic Movement

Franz Reinisch, herói da consciência, executado por não jurar por Hitler.

By: Pe. Niederschlag

Entrevista com o Padre Theo Breitinger

– Pe. Breitinger, que importância teve Schoenstatt para o Pe. Franz Reinisch?

P. Breitinger: Para responder a esta pergunta, penso que é melhor passar a palavra ao próprio Pe. Franz Reinisch. Uma vez eu olhei em seu diário e vi algumas de suas declarações e lá encontrei como ele mesmo comenta essa questão.

Mas talvez em primeiro lugar, como contexto, o padre Reinisch conheceu Schoenstatt em 1933, pelo que sei, quando chegou a Friedberg, e lá entrou em contato com o Conselho Provincial com as revistas de schoenstattianas, especialmente com a revista SalTerrae, daquela época, editada pelos Padres Diocesanos de Schoenstatt.

Lá ele redescobriu tudo o que havia sido importante para ele: sua relação com Maria e o que era importante para ele em sua comunidade, a Sociedade dos Palotinos, ou seja, o mundo das ideias de Vicente Pallotti.

Devorou esses escritos e cresceu o desejo de vir para Schoenstatt. Lhe foi possível um ano depois. Esteve em Schoenstatt pela primeira vez em 1934, no mês de agosto, e lá também teve contato com a capela do vale, com o santuário, e desde então se entusiasmou por Schoenstatt, e na realidade já era um schoenstattiano de coração, pode-se dizer.

Nas palavras do Pe. Franz Renisch

Lá ele se encontrou realizado, ou basicamente percebeu, o que Vincente Pallotti tinha em mente. E agora um trecho do que o próprio Franz Reinisch disse sobre sua relação com Schoenstatt ou o que Schoenstatt significava para ele:

“O que o lugar de graças de Schoenstatt se tornou para mim…” escreveu em seu diário e deu a resposta: “Lar, onde me senti em minha pátria. Em primeiro lugar, uma paz natural: pelo belo lugar e pelas condições de vida acolhedoras. Depois também uma paz, um bem-estar espiritual: pela personalidade extraordinariamente profunda do Padre Kentenich, pelo ambiente elevado e da atmosfera espiritual, pelo amor que me rodeava ali: Paz espiritual acima de tudo também através de toda a família dos sacerdotes, das irmãs, de toda a comunidade, da capelinha: aqui posso mencionar com grande gratidão a graça…”, escreveu, “… de que nunca duvidei de Schoenstatt nem por um momento, mas que, pelo contrário, através das dificuldades só me enraizei ainda mais nele. E isso me dá a maior paz interior, liberdade, confiança e firmeza, especialmente nesta última fase da vida.”

Deve-se acrescentar que esses apontamentos em seu diário foram escritos algumas semanas antes de sua morte, em julho de 1942. O Padre Kentenich desempenhou um papel muito importante para ele. Uma vez ele disse, acho que foi em uma conversa com o clérigo da prisão na época, o Padre Kreuzberg; disse na época: O padre Kentenich teria sido provavelmente o único que poderia fazê-lo mudar de opinião sobre sua última decisão. Assim o Padre Kentenich teria sido quem poderia ter questionado esta última decisão. Mas Kentenich lhe deu forças.

O que o Padre Kentenich lhe disse?

Há duas cartas do Padre Kentenich para Reinisch, que também li, onde ele escreve para a cela da prisão naquele momento em Berlim. Era 14 de julho de 1942, poucas semanas antes de sua morte. O Padre Kentenich lhe diz: “Tenho sua carta na minha frente o tempo todo. Parece que há uma certa tragédia em sua vida, mas chegará a hora em que o sol brilhará sobre ela. Tem razão quando escreve que se abandona completamente à querida vontade do Pai que está nos céus e, se permanecer fiel à querida Virgem Maria, então poderá tomar a decisão final, seja agora ou antes da morte.

Se pudesse se soltar completamente e entregar-se a Maria, então a sangue-quente tirolês certamente se acalmaria um pouco para que pudesse se libertar para uma tarefa concreta. Em que pode consistir esta tarefa concreta? Aqui tenho que lhe fazer outra pergunta: Para onde está indo seu coração e que possibilidades existem para você nas circunstâncias atuais? Deve oferecer sua vida ao mais alto preço, e assim, seu caminho de vida não terá cruzado com Schoenstatt em vão”.

Isto escreveu o Padre Kentenich a Reinisch e o encorajou a manter sua decisão e seguir fielmente seu caminho, sua convicção.

O que significa Reinisch para a juventude de hoje e para Schoenstatt?

O que eu observo no Movimento de Schoenstatt, especialmente na geração jovem, é que eles encontram Reinisch com grande interesse. Os jovens a ele recorrem,  sobretudo entusiasmam-se com a sua consistência, a sua fidelidade, a sua determinação, a retidão com que segue o seu caminho.

E o que é importante para nós, para o Movimento de Schoenstatt, quando olhamos para Reinisch: Reinisch era completamente schoenstattiano, por um lado, e completamente palotino, por outro; e é, por assim dizer, como uma ponte viva, um sinal do vínculo entre nossas comunidades: schoenstattianos e palottinos. E deste ponto de vista também pode ajudar hoje em dia que a união entre as comunidades palotinas e as comunidades de Schoenstatt sejam frutíferas para a Igreja.

Share

with your loved ones

WhatsApp
Facebook
X
Print
Email