Procurar
Close this search box.

Schoenstatt
Apostolic Movement

Em tempos de guerra: Como ser protagonista da paz pela Aliança de Amor

By: Karen Bueno / Ir. M. Nilza P. Silva

Nestes tempos em que muitos conflitos se intensificam no mundo, precisamos construir novamente a paz, todos juntos. Parece difícil, parece impossível. Mas não é! Usando a bússola da Aliança de Amor, encontramos caminhos bem práticos para nossa vida diária: tenho que ser protagonista da paz aqui e agora, no lugar onde estou.

Por onde começar?

Quem conhece a história de Schoenstatt sabe que o Movimento surgiu e cresceu em meio a guerras, em meio a um cenário de armas, bombas e destruição por todo lado. E nessa fase caótica da história a Mãe de Deus, utilizando seus jovens congregados, promove a paz. Os schoenstattianos não podiam parar a guerra, nem fugir para um território pacífico; eles eram obrigados a lutar e, mesmo assim, foram protagonistas de uma cultura de paz entre o seu batalhão por meio de pequenos gestos.

Quando José Engling se envolve em uma briga…

Esse era o caso de José Engling. Um de seus maiores adversários não era o exército inimigo, mas o seu temperamento explosivo. Em sua biografia, conta-se que, certa vez, roubaram a espada de Engling e, como conclusão, começou uma briga entre ele e outro soldado no alojamento. Quando José ficou sozinho e esteve mais calmo, teve condições de raciocinar mais serenamente. Ele perguntou a si mesmo: “Eu agi bem?” Sabia que não era errado exigir sua espada de volta, mas, era necessário fazer todo aquele escarcéu? Sentia-se culpado. Não encontrou paz até procurar o colega e lhe pedir desculpas, fazendo as pazes.

Como esse exemplo, seguiram-se muitos outros episódios em que a paz era cultivada nas pequenas situações corriqueiras.

Um gesto simples para a paz na família

É essencial, para todas as pessoas, buscar a paz na família. O Pe. José Kentenich gostava de contar histórias e, sobre esse tema, ele comenta o poder do silêncio como instrumento de paz. Assim conta nosso Fundador:

“Já devem ter ouvido falar muitas vezes do religioso São Vicente Ferrer. Certo dia ele foi procurado por uma mulher, cuja queixa principal era contra o marido… Como era ele? (como a esposa o descrevia): Irascível, arrebatado…

Vicente Ferrer era um confessor inteligente e disse à mulher: ‘Vá ali ao convento e pede uma garrafa da água do poço. Tem que ser água do poço do convento. Depois, faze o seguinte: Quando o marido chegar em casa, gritando até não poder mais, bebe um gole da água e conserva-a na boca até ele parar de gritar’. Qual foi o efeito? Daquele dia em diante deixou de haver brigas.

As pessoas da vizinhança começaram a dizer que queriam a água milagrosa de São Vicente. Tinha que ser a água do poço? Não tinha nada a ver, não era necessário ir buscá-la no convento, ele disse isso para dar um toque de mistério. Qual era o verdadeiro remédio? O silêncio da mulher”.

É importante mencionar, sobre essa história, que o Pe. Kentenich não está falando sobre um silêncio de submissão. O seu conselho, que vale tanto para o homem como para a mulher, é de uma atitude de humildade, que contribui em qualquer relacionamento: esperar os “ânimos esfriarem” para ter um diálogo mais equilibrado. Por meio de gestos simples, a paz vai se construindo dia a dia e refletindo-se mundo afora, nas complexas situações.

As guerras atuais – para alguns bem próximas, para outros mais distantes, mas que afetam o mundo todo – são também um tempo para reavaliar a paz interior e a relação consigo próprio. Somente assim se pode irradiar esse dom ao mundo, transmitindo amor, paz e alegria.

Onde encontrar a paz

Nas mais difíceis situações de violência, às quais estamos expostos neste mundo, podemos lembrar o papel da Mãe de Deus como Vencedora e recordar que em seu coração sempre se encontra a paz: “Teu coração sagrado é para o mundo refúgio de paz, sinal de eleição e porta do céu” (Rumo ao Céu, 541). Como os congregados heróis, não há como fugir do atual “campo de batalha”. Mas, como eles fizeram, podemos buscar refúgio no coração da Mãe de Deus e confiar em sua ajuda. Ser sempre instrumentos de paz, onde quer que estejamos.

Veja abaixo mais um trecho da biografia de José Engling:

“José Engling e seus companheiros, ao alcance dos tiros, estavam estendidos por terra. Ao redor se ouvia o assobio ligeiro e vibrante das granadas. Muitos daqueles ‘pequenos monstros’ caíam bem rentes e os estilhaços zuniam por cima […]. De repente, um estrondo maior. Uma granada explodira ao lado de José que, sentindo-se tão próximo da morte, fez um ato de contrição perfeita e recomendou-se a Maria. Como num lampejo, esboçou-se em sua mente a imagem da Capelinha de Schoenstatt, inundando-o de paz”.

Encontrando a paz e o abrigo, no coração de Maria, tornemo-nos instrumentos de paz no campo de batalha de nosso dia a dia, uma paz que nasce da justiça, da misericórdia, da paz de quem se empenha para conhecer e realizar a vontade de Deus que nos ama e fala conosco em cada situação.

 

Referências

– Herói de Duas Espadas. Olivo Cesca. 3ª edição brasileira
– Às Segundas-Feiras ao Anoitecer – Diálogos com famílias, vol 3. Pe. José Kentenich. Edição brasileira: Sociedade Mãe e Rainha. Santa Maria/RS: 2010.

Fonte: Schoenstatt Brasil, schoenstatt.org.br

Share

with your loved ones

Related articles that may interest you

As Forças Armadas do Equador rezam pela Paz no Santuário

Representantes das diferentes Forças Armadas do Equador, em nível nacional, dirigiram-se ao Santuário Nacional de Schoenstatt, de Guayaquil, para rezar pela paz. Juntos, pedem proteção de seus homens e mulheres, que se encontram em um momento de violência incomum. Levaram as graças que a Mãe concede no Santuário para seus lares e para seus companheiros.

Read More »