Procurar
Close this search box.

Schoenstatt
Apostolic Movement

Congresso de Pentecostes 2022: experiências profundas e vivências do Schoenstatt internacional

By: Carolin Brehm/Heinrich Brehm

Na Jornada de Outubro do Movimento de Schoenstatt na Alemanha, foram retomados os impulsos do segundo Congresso Internacional de Pentecostes, que aconteceu em junho de 2022, como parte de um olhar sobre a vida do Movimento. O objetivo desses congressos internacionais de Pentecostes é promover o contato vivo entre os schoenstattianos de todo o mundo, permitir o intercâmbio e a reflexão em um contexto internacional e compartilhar e transmitir a corrente da Aliança de Amor, como expressou a Ir. M. Veronika Riechel durante uma conversa no palco do auditório da Igreja da Adoração.

2022
Irmã M. Veronika Riechel moderou o tema “Impulsos do Congresso Internacional de Pentecostes” (Foto: Brehm)

A Ir. Veronika fez parte da delegação alemã no Congresso de Pentecostes junto com o Pe. Ludwig Güthlein, o casal Diana e Lukas Schreiber, o casal Maria e Alexander Paul e a Irmã M. Vernita Weiß.

O padre Félix Geyer, que junto com outros fez parte da equipe de preparação do Congresso, já havia retomado o tema do Congresso de Pentecostes na homilia da Missa de abertura da Jornada de Outubro, coorganizado pelo Movimento de Famílias de Schoenstatt.

É uma carta de Cristo inscrita nos corações humanos

2022
Homilia: Padre Félix Geyer (Foto: Brehm)

A impressão do Pe. Félix sobre as experiências do Congresso de Pentecostes foi baseada no texto bíblico que foi enfatizado no Congresso de Pentecostes: “Vocês são uma carta de Cristo, escrita não com tinta, mas com o Espírito do Deus vivo; uma carta não gravada em tábuas de pedra, mas em corações humanos.” (2 Cor. 3, 3) Assim, ele compartilhou suas experiências, motivando-se no que Deus havia inscrito em seu coração.

Em primeiro lugar, falou sobre as atitudes que haviam desenvolvido durante o encontro: a atitude de escuta, de aprendizagem e de abertura. Um espírito de percepção de interesse pelo outro, que não só aceita a si mesmo, mas também sente curiosidade e grande interesse por suas experiências, tem percorrido todos os dias da jornada. Isto é para o Pe. Félix um sinal essencial da união sinodal.

Não há nenhum órgão em Schoenstatt em nível internacional que tenha o poder de tomar decisões que sejam vinculantes para todos. Ao invés desse corpo, há uma atitude de percepção e diálogo com os outros e de conexão com os mais diversos grupos, de busca de aliados. A cooperação de muitos ramos diferentes, leigos e clérigos, homens e mulheres, faz parte da união sinodal no Movimento.

Não polarização, sim diálogo

Irmã M. Vernita Weiß (Foto: Brehm)

Em segundo lugar, o Pe. Félix mencionou o dom dos “corações rebeldes”. Já no primeiro dia do Congresso, os jovens participantes haviam manifestado que não estavam suficientemente representados no programa. Como resultado, a equipe coordenadora alterou alguns dos planos e deu ao grupo de jovens a oportunidade de contribuir. Dessa forma, o diálogo ocorreu em vez da polarização. Entre outras coisas, o processo desencadeou no impulso de se perguntar repetidamente, onde está a rebeldia em meu coração, quando me acostumei com “é assim que as coisas são?”

Para o Pe. Félix, o Congresso de Pentecostes e a inversão na internacionalidade não valeram a pena pelas decisões e resultados, mas pela certeza esperançosa de que o Espírito Santo investe em Schoenstatt, o que dá confiança de que em todas essas diferentes pessoas a Igreja pode se desenvolver e crescer .

Igreja na nova margem é agora

Os participantes no pódio na sala de reuniões caracterizaram o Congresso de Pentecostes como:

“muito autoconfiante”, “próximo da realidade”, “éramos almas gêmeas”, “honestos uns com os outros”, “lutando por posições”, “muito diversos na forma de viver Schoenstatt”, “uma autêntica união de gerações e nações”, “juntos e uns pelos outros”.

Houve dois momentos especiais no Congresso para Irmã M. Vernita. Um deles foi o momento em que a geração mais velha passou simbolicamente as tochas para a geração mais jovem durante uma celebração na Igreja da Adoração. O outro momento foi uma contribuição delineada por Maria e Alexandre Paul, fruto de um pequeno grupo.

Dali surgiu a imagem da arca chegando à nova margem, que expressa o que o Espírito de Deus quer realizar no Movimento de Schoenstatt. A Igreja na nova margem, para a qual Schoenstatt foi criado, é agora. Agora é a hora de entrar nesta terra. Cada um, como personalidade original com dons diferentes, é chamado a dar o passo em direção à praia e a ali contribuir.

2022
“Chegando à nova margem” – Foto: Maria Elina, Argentina (Foto: PressOffice Schoenstatt, Brehm)

Somos testemunhas do nosso tempo

Alexander Paul (Foto: Brehm)

Alexander Paul citou quatro pontos que se tornaram importantes para os participantes com menos de 30 anos: A geração mais jovem quer ser ouvida e ter voz, também em nível internacional.

Deseja ter seu próprio congresso de jovens. Ele quer entrar em contato com todos os ramos e aprender a entendê-los e poder contribuir com sua própria visão de mundo. “Somos testemunhas do nosso tempo, trazemos nossas realidades de vida e também queremos trabalhar os problemas reais dos jovens”.

Alex Paul também expressou um pedido aos participantes do Congresso de Outubro: “Por favor, não falem em nome dos jovens, todos somos personalidades por direito próprio. Queremos comunicar na altura dos olhos e: os jovens não têm opinião única”, por isso é importante ouvi-los.

Uma polifonia em que uma voz não prevalece em detrimento das outras

O Congresso de Pentecostes deixou claro que Schoenstatt quer renovar e ajudar a formar a Igreja a partir de dentro, sublinharam Diana e Lukas Schreiber.

“O Congresso de Pentecostes deixou claro que nós, como Movimento de Schoenstatt, somos parte da Igreja. Somos um movimento de renovação, mas não com uma visão de fora, em oposição à Igreja. Atuamos como Igreja, somos Igreja “, disse Diana Schreiber.

Especialmente nas atuais turbulências e nas difíceis questões do futuro da Igreja, Schoenstatt não se distanciará nem se oporá à Igreja.

“Também não queremos dizer: sabemos como fazê-lo, a Igreja teria apenas que nos escutar”. Isso seria distanciamento, arrogância. “Mas nós somos Igreja, uma parte da Igreja, portanto também sofremos na Igreja e com a Igreja”.

Diana e Lukas Schreiber (Foto: Brehm)

O Pe. Kentenich: nem conservador nem liberal

Diante da polifonia e da desunião em muitas questões concretas, que provavelmente aumentarão na Igreja, Lukas Schreiber acrescentou uma segunda reflexão sobre o Congresso de Pentecostes: “Já estamos experimentando heterogeneidade em nosso movimento. Porque estamos todos unidos na Aliança de Amor, no Santuário, em nosso Pai e fundador comum, o Padre Kentenich”. Este carisma integrador do Movimento de Schoenstatt é urgentemente necessário hoje.

O padre Kentenich era tudo menos conservador e tudo menos liberal. “O carisma de Schoenstatt do homem novo na nova comunidade tem a ver com uma polifonia em que uma voz não se impõe em detrimento das outras, mas há espaço para harmonizar-se umas com as outras. Uma polifonia que se torna um consenso em um nível superior, porque todos são um em Jesus Cristo, no seu amor à Igreja e ao Deus Trino”.

Firmemente enraizados e esperançosos, damos um passo para o futuro

O padre Félix Geyer, que colaborou na preparação do Congresso de Pentecostes e tinha participado não pouco na redação da “Carta Fraterna” publicada pelo Congresso, concluiu enfatizando que a carta final do Congresso não seria um memorando neste tempo, como foi em 2015.

O memorando de 2015 ainda teria seu valor total. Sobre à Carta fraterna do Congresso de Pentecostes de 2022, inspirada nas Cartas dos Apóstolos, dirigida a todos aqueles que têm algo a ver com Schoenstatt, ela tem caráter testemunhal e encorajador, não absoluto. “Há muito conteúdo nesta carta. E é bom ter em mente que não pesamos cada palavra. É motivacional.”

Foi um processo que expressa o que foi colhido entre os participantes do Congresso. Isso significa que as palavras individuais não tiveram que ser aprovadas pelo Schoenstatt internacional, essas palavras querem descrever mais.” As palavras “Firmemente arraigados e esperançosos, vamos para o futuro” foram gravadas especialmente. Esta é a atitude com que o Congresso de Pentecostes conversou sobre o caso Kentenich:

“Estamos firmemente enraizados na tradição – uma imagem de crescimento – e, no entanto, uma imagem muito dinâmica, estamos indo em direção ao futuro”.

Nestas imagens de raízes e caminho, se expressa uma ambivalência, que expressa a atitude de como Schoenstatt quer tratar a Causa Kentenich: “aprendendo, abertos, sem medo, querendo entender, ouvindo cada um pessoalmente”.

Fonte: www.schoenstatt.de

Share

with your loved ones

Related articles that may interest you

Benedikt

Papa Bento XVI, nosso amigo na terra e no céu

Hoje, ganhamos um fiel intercessor junto a Deus. O Papa Bento XVI encerra sua missão nesta terra, para continuá-la a partir do céu. Seu pontificado foi de 19 de abril de 2005 (data de sua eleição) a 28 de fevereiro de 2013. Com toda a Igreja manifestamos nossa gratidão por sua vida consumida no amor a Igreja.

Read More »