No último dia 18 de outubro, no marco do ano jubilar do 50º Aniversário do nosso Santuário Nacional, a Família de Schoenstatt do Equador celebrou um Dia da Aliança muito especial. Foi entregue à Mãe de Deus a história do Movimento no Equador, na terra quente da Aliança.

O livro “Raiz de barro e sangue novo”, em tradução literal, é um título que evoca o espírito partilhado por aqueles que começaram essa grande aventura. Desde o início, a atitude de pequenez, coerente com o simbolismo do barro, é latente. Esta percepção da pequenez dos instrumentos coincide precisamente com o pensamento do fundador de Schoenstatt, Padre José Kentenich, quando escreveu na sua carta à Família:

“Sem dúvida que Schoenstatt no Equador não acontecerá sem as leis do reino: a pequenez dos instrumentos, a magnitude das dificuldades e a magnitude do sucesso”.

Schoenstatt chegou ao Equador graças ao sim dos corações simples. A expressão “sangue novo” convida-nos a regressar às origens a fim de reacender a vida, renovada, numa época que exige heroísmo. Aqueles que estão imersos na espiritualidade de Schoenstatt sabem que quanto maior for a dificuldade, maior será a sua herança, a vontade de aceitar a adversidade.

Trazendo à luz a vida que trouxeram os protagonistas, quando se apaixonaram pelo projeto de fundação

livro no Equador

“Raiz de barro e sangue novo” foi escrito pela Ir. Virginia Álvarez, Inés Gonzenbach de Vernaza e Anita Loor de Dahik, que, admiravelmente, com a sua tenacidade, entusiasmo e amor, escreveram esse valioso livro que consigna ricos vestígios da nossa história de Schoenstatt no Equador. O livro foi terminado no meio da pandemia e por isso tem a marca ou selo do nosso fundador de não parar e projetar esperança.

Não é uma cronologia ou uma sequência de acontecimentos que ocorrem ao longo do tempo. O seu objetivo é, antes, o de trazer à luz toda a vida contribuída pelos protagonistas que se apaixonaram pelo projeto de fundação. A intenção das autoras é, precisamente, a de transmitir estas experiências aos herdeiros. Para o conseguir, tentaram inundar as páginas com testemunhos que evocam esta paixão pela missão.

Anita Loor

Foi dada especial atenção ao padre diocesano espanhol, P. Juan Fernández, que acompanhou os primeiros. Entusiasmou-se com o mundo de Schoenstatt através de um dos seus estudantes, que tinham estado no Chile, dizendo a ele que era um idealista: “O que nos falou, sobre um mundo melhor, não é nada comparado com Schoenstatt”. Isto foi suficiente para o Padre Fernandez querer saber diretamente daquela terra abençoada, onde os corações nobres aspiram ao céu.

Estas páginas trazem até hoje aquela palavra que o Pai e Fundador mencionou: “O que será de Schoenstatt, se estas gerações futuras não forem tomadas e penetradas pelo mesmo espírito que vós? Não deveria ser uma lei invariável da Família, para todos os tempos, que cada geração terá de conquistar de novo Schoenstatt?”

Será que os nossos descendentes verão o nosso olhar iluminado? Será que eles verão o fogo nas nossas palavras?

Christian Castelblanco foi o responsável pela apresentação. Depois, houve uma atmosfera musical com um quarteto de cordas sob a direção e solo de violino do Maestro Ecuador Pillajo. A Ir. María Auxiliadora Bohórquez foi a encarregada da apresentação do livro. Seguiram-se palavras de Ir. Virginia Álvarez e de Anita Loor de Dahik. Um vídeo gravado pelo P. Eduardo Auza, de Quito, foi também partilhado.Ecuador

Seguiu-se a celebração da Santa Missa da Aliança de Amor com cerca de 500 pessoas na esplanada em frente ao Santuário.

As palavras do Padre Juan Fernández dirigidas às primeiras meninas que selaram sua Aliança de Amor, marcam o caminho para muitos schoenstattianos de hoje: “O tempo é um teste difícil. O tempo também será o nosso teste. Teremos o mesmo olhar claro que agora, o amor intenso e profundo, a doação de si, a lealdade depois de vinte, trinta, quarenta anos? Os nossos descendentes verão o nosso olhar iluminado? Verão o fogo nas nossas palavras? Verão a obsessão na nossa vida quando falamos de Schoenstatt? Esta noite vamos pedir à Mãe Santíssima, aqui na sua pequena capela, na nossa casa, por esta tenacidade do líder, que supera as dificuldades, que supera o tempo”.

Você pode assistir o vídeo da celebração em espanhol aqui:

https://www.youtube.com/watch?v=GLPPozc0DsM&list=PL3SaRxpaA88BOgBI0KKziGLlSqufyVAa5&index=1

Você também pode ler: Alegria de ser Jufem – Equador celebra os 90 anos da Jufem Internacional