Procurar
Close this search box.

Schoenstatt
Movimento Apostólico

30 de maio em Schoenstatt: O Santuário Original é inundado de graças

Agathe Hug

Ficamos nisso – vamos contigo! Este foi o lema da celebração do jubileu de 31 de Maio no lugar de fundação do Movimento de Schoenstatt, na Alemanha, realizado de 30 de maio a 1º de junho de 2024.

As celebrações começaram com uma vigília na noite do dia 30, no Santuário Original. A missa festiva ocorreu em 31 de maio de 2024 na Igreja da Adoração, seguida por um lanche no saguão da Casa Padre Kentenich.

No final, o professor Dr. Joachim Söder e o professor (em.) Dr. Manfred Gerwing apresentaram a nova edição da “Epistola perlonga”, publicada pela Editora Patris, de Vallendar. O evento foi realizado em 1º de junho de 2024 na Casa da Aliança, em Schoenstatt.

Uma surpresa: a festa é interrompida

Ninguém vai esquecer tão facilmente a vigília de 30 de maio – nem os cerca de 100 fiéis que estavam presentes no Santuário Original, nem os numerosos espectadores que assistiram a transmissão pela internet e acompanhavam os eventos “com apreensão e espanto”, como escreveram em um e-mail posterior.

Em determinado momento, no final da primeira parte da celebração (que estava dividida em três partes), uma “inundação de água”, com muita lama marrom, desceu pela rua ao longo do Santuário Original. Isso inundou partes da praça em frente e ao lado do Santuário. Os bueiros da rua estavam bloqueados e não conseguiam absorver a água que havia caído do céu em uma chuva torrencial, embora não diretamente sobre o Santuário Original, mas a uma pequena distância.

Os bancos foram rapidamente movidos e transformados em barreiras e bloqueios para a água. Sacos de areia, armazenados atrás da capela de velas em outras inundações, foram arrastados como barreiras. A equipe dos bombeiros foi chamada e também chegou ao local rapidamente, de modo que a “corrente de água” diminuiu com relativa rapidez e acabou secando. No entanto, a maioria dos participantes ficou com os pés muito molhados e suas roupas cobertas de lama marrom.

O que aprendemos com essa situação?

Depois que passou essa agitação inicial, a oração continuou. A água corrente interrompeu brevemente a vigília, mas não conseguiu fazer com que a liturgia fosse interrompida. A segunda parte da celebração continua.

O Pe. Alexandre Awi Mello, que presidiu a vigília, reinterpretou a água como uma corrente de graças e sugeriu que o evento que acabara de ocorrer era também um símbolo do dia 31 de maio e que, assim como todos haviam ajudado juntos a proteger o Santuário Original de mais danos, independentemente de seus próprios danos, assim também deveria ser no futuro: Nós nos unimos, trabalhamos juntos, protegemos nosso Santuário Original e tudo o que associamos a ele de mais danos e juntos levamos Schoenstatt e nossa missão para o futuro.

Meditando sobre um marco na história

A vigília começou com a introdução: o dia 31 de maio traz consigo uma vida renovada de fé na Divina Providência e, acima de tudo, traz uma vida renovada de consciência missionária, exigindo um novo SIM para o cumprimento da missão.

Queremos meditar sobre esses pensamentos a seguir e nos tornarmos disponíveis mais uma vez para o cumprimento da missão.

Ficamos nisso – vamos contigo!

Assim, a vigília nos incentiva a meditar sobre:
31 de maio – A vida a partir da perfeita Aliança de Amor
31 de maio – A vida a partir da fé na Divina Providência
31 de maio – A vida a partir do cumprimento da missão

Uma mistura de textos instigantes, citações apropriadas do Padre Kentenich e sugestões para aplicação na sociedade atual e em nossas próprias vidas se alternam, emolduradas por canções com acompanhamento musical da Irmã M. Tabea Platzer.

O programa termina com o louvor a Maria, orações e a bênção da noite.

Sim – e, no final, começa a grande limpeza. A praça em frente ao Santuário foi limpa de lama por vários voluntários incansáveis. A Mãe de Deus deve ter olhado com espanto e certamente ficou muito grata a seus filhos por seus esforços – assim como a sacristã Ir. M. Vanda Friedrich, que imaginou claramente como teria sido se ela tivesse que enfrentar essa força da natureza sozinha. Provavelmente teríamos tido água (mais uma vez) invadindo o Santuário Original.

Em breve traremos mais sobre os demais dias da Vigília.

Tradução: Karen Bueno

Compartilhar

com seus entes queridos

Artigos relacionados que podem lhe interessar