Procurar
Close this search box.

Schoenstatt
Movimento Apostólico

Garantindo a presença de Cristo e a presença de Maria – Réquiem para Bento XVI em Schoenstatt

By: Heinrich Brehm

Na tarde do dia das celebrações fúnebres do Papa emérito Bento XVI em Roma, o Movimento de Schoenstatt convidou todos para uma Missa de Réquiem pelo defunto na Igreja da Santíssima Trindade no Monte Schoenstatt, em Vallendar. Os cerca de 200 fiéis que compareceram à cerimônia, anunciada em cima da hora, homenagearam o único papa de nacionalidade alemã até hoje, que presidiu a Igreja Católica por quase oito anos, de 2005 a 2013. Após deixar o cargo em 28 de fevereiro de 2013, viveu por quase 10 anos mais como papa emérito no Vaticano, onde faleceu em 31 de dezembro de 2022.

Tornou transparente o valor da verdade

Garantindo a presença
Padre Heinrich Walter, membro da equipe da Coordenação Internacional do Movimento de Schoenstatt (Foto: Becker)

Na verdade, a cada pessoa que parte, podemos perguntar o que Deus comunicou aos homens por meio dela, o que deu à humanidade por meio dessa pessoa específica, disse o padre Heinrich Walter, membro da equipe da Coordenação Internacional do Movimento de Schoenstatt, que presidiu o serviço como celebrante principal, resumindo sua memória da personalidade de Bento XVI. E acrescentou: “Experimentei o nosso Papa Bento como alguém que podia dizer a verdade de tal maneira que o seu valor fosse facilmente reconhecido, e este valor da verdade tornou-se a minha própria experiência, ou seja, valiosa”. Com esta Missa, o Movimento de Schoenstatt despediu-se do Papa Bento XVI, sublinhando a necessidade de preservar o legado que nos deixou.

A humanidade como pré-experiência natural de Deus

Garantizar la presencia
Padre Lothar Penners ISch (Foto: Becker)

O padre Lothar Penners teve a tarefa de resumir alguns aspectos do significado da figura histórica de Joseph Ratzinger ou Bento XVI em uma visão bastante geral – como ele mesmo destacou.

A primeira perspectiva, disse ele, era a natureza humana, sua compaixão, que muitos experimentaram em seu encontro com ele. A título de exemplo, Penners citou depoimentos de alunos da faculdade de Bonn elogiando a modéstia de Ratzinger e destacando o respeito e a receptividade com que recebia, por exemplo, cada aluno de exame do semestre. “Sem essa característica humana“, disse Penners, “dificilmente um alemão teria sido eleito Papa após a morte de João Paulo II”.

Os bispos de todo o mundo que se relacionavam com a Cúria provavelmente sentiram que eram levados a sério por ele, independentemente do continente de onde vieram. No entanto, a compaixão de Joseph Ratzinger tinha um motivo mais profundo do que sua modéstia e discrição. Ele era de opinião que em uma civilização “na qual prevalece o pensamento calculador e planejador”, o homem foi cada vez mais privado da possibilidade de ter uma experiência preliminar natural de Deus. Para Ratzinger, o fraterno tinha uma dimensão sacramental. Numa época em que tudo se tornou previsível, “precisamos ser misteriosamente tocados por alguém, por algo que é diferente de nós e que, no entanto, nos chama à comunhão na comunicação”.

Participantes (Foto: Becker)

Gênio teológico

Uma segunda perspectiva é olhar para o teólogo, disse Penners. Não é possível, disse ele, mais do que revisar brevemente a contribuição teológica de sua vida em um sermão. Karl Lehmann, que nem sempre concordou com Ratzinger em seu pensamento, atestou-o como “uma espécie de gênio teológico, não apenas um talento”. O teólogo franco e moderno Ratzinger, segundo Penners, tem uma linguagem fácil de entender, o que torna desnecessário “vestir a pesada armadura do filósofo Kant para entender algo de sua teologia”. Ratzinger não diz apenas o que percebe, “mas os segredos muitas vezes são revelados pela maneira como ele fala sobre algo”. Isso, disse ele, é o que muitos de seus alunos encontraram como uma ponte para sua própria experiência de fé.

Entre outras coisas, Penners retomou o esforço de Ratzinger para oferecer uma ajuda à compreensão numa época em que é cada vez mais difícil falar sobre coisas últimas, como a imortalidade da alma e a mortalidade do corpo, com o conceito de imortalidade dialógica:

“O que faz de um ser humano um ser humano? E o que faz de um ser humano preparado para a eternidade? É a sua dependência do Tu, e só quando o Tu infinito acolhe de novo e mais profundamente no seu diálogo o moribundo e o defunto, o ser humano chega a Deus”, disse o pregador.

“Muitas vezes os mistérios são revelados pela forma como você fala sobre algo” (Foto: Becker)

Um mundo mais reflexivo

Como terceira perspectiva, Penners voltou sua atenção para a questão de como Bento XVI colaborou com o ministério petrino sob o papa João Paulo II e depois como ele mesmo o exerceu. Neste contexto, disse, muitas coisas bonitas podem ser ditas sobre o teólogo, o pregador e o irmão na fé, mas as tensões e disputas não podem ser ignoradas. Penners citou como exemplos “a disputa com Hans Küng, a tensão com a Conferência Episcopal Alemã em relação ao aconselhamento sobre o conflito da gravidez e o debate, especialmente com alguns teólogos latino-americanos, sobre se uma teologia da libertação se justifica ou não”. “Essas disputas foram parcialmente inevitáveis, mas havia algo fatídico e às vezes também trágico sobre elas”, disse o padre Penners.

Com muitas de suas declarações, o Papa contribuiu para “tornar o mundo um pouco mais reflexivo”. Em seu grande discurso no prédio do Reichstag em Berlim, por exemplo, ele lembrou aos parlamentares a figura do sábio Salomão, rei dos israelitas, que rezava por um coração atento. Ele também falou da “ecologia do homem” e se perguntou se não havia apenas uma integridade da natureza, mas também uma integridade do homem. Para declarações sobre a vida da igreja na Alemanha, no entanto, a conferência em Freiburg mostrou “que aqui as divergências entre a vida da igreja, como era cada vez mais articulada, e suas ideias já divergiam consideravelmente”, disse Penners.

Casal da Federação das Famílias de Schoenstatt lê as intercessões (Foto: Becker)

Desafio: garantir a presença de Cristo, a presença de Maria

“Quanto mais minoritária é a Igreja na sociedade, mais chamada é para ser luz e sal para o mundo no espírito do Evangelho. Essa foi a convicção de Bento”, continuou Penners. Isso certamente exigiria mudanças estruturais. Mas estes sozinhos não poderiam brilhar a luz do Evangelho. “Nosso inverno como Igreja é a ausência de Cristo”, dissera Ratzinger nas palavras de Santo Agostinho no réquiem de Hans Urs von Baltasar na Suíça: “Uma Igreja que parece velha, uma Igreja que tem muito pouca ressonância, uma Igreja que vive em conflito consigo mesma, diria Agostinho, é marcada pela ausência de Cristo”, lembrou Penners. “Para um movimento de aliança como Schoenstatt, esta é precisamente a tarefa essencial: garantir a presença de Cristo, a presença de Maria. Assim, mesmo uma Igreja minoritária teria força espiritual para mudar a sociedade”, concluiu.

Fonte: Schoenstatt.de

Share

with your loved ones

Related articles that may interest you

Dicas para quem quer começar a ler a Bíblia

Neste “Domingo da Palavra de Deus”, acompanhe algumas dicas para iniciar ou aprofundar a leitura bíblica. O Pe. Marcelo Cervi, doutor em Teologia e membro do Instituto Secular dos Sacerdotes Diocesanos de Schoenstatt, coordena um grupo online de estudos bíblicos e apresenta algumas sugestões.

Read More »