Uma abençoada Festa da Exaltação da Cruz para você, meu amigo! Essa é uma das minhas festas favoritas do ano e eu diria que ela é altamente subestimada e, em grande parte, despercebida. O que podemos tirar desse dia dedicado à exaltação da cruz? O que a Cruz de Cristo tem a dizer à nossa realidade atual? Ao refletirmos sobre essas questões, temos a dádiva de contemplar uma cruz muito especial para nos inspirar: a Cruz da Unidade de Schoenstatt.

Um convite à contemplação

Hoje, a Cruz da Unidade é conhecida em todo o mundo. Esta semana alguém me disse: "Espere, a Cruz da Unidade veio de Schoenstatt? Pensei que alguém famoso a tivesse desenhado!" Seu comentário definitivamente me fez rir! Sim, a Cruz da Unidade nasceu da vida do Movimento de Schoenstatt, em uma história dramática e real que se desenrolou na vida de pessoas e comunidades concretas. Se estiver interessado em conhecer toda a história, recomendo vivamente o livro "A Cruz da Unidade", do Pe. Benjamin Pereira, e também o livro com o mesmo título, de Gertrude Pollak, Senhora de Schoenstatt. Gostaria de compartilhar um breve esboço dessa complexa história hoje, a fim de mostrar a criatividade e a engenhosidade de Deus, expressas por meio de instrumentos humanos. Veja bem, estamos tão incrivelmente inundados hoje em dia por imagens, gifs e reels que acho que perdemos a capacidade de contemplar uma obra-prima. E a Cruz da Unidade é uma dessas obras-primas, pois é um símbolo, um ícone e, como tal, tem o potencial de conduzir nossas pequenas vidas para o coração do sobrenatural – se nós o permitirmos. E esse símbolo nasceu de uma experiência vivida...! Saturados como estamos pela cultura instantânea do imediato, também nos esquecemos de que, na maioria das vezes, o que é verdadeiramente belo surge de um longo processo de vida. Que esta reflexão de hoje, meus amigos, os convide a desacelerar para contemplar esse símbolo e, assim, reencontrar o mistério absoluto da Cruz de Cristo em nossa fé católica, no mundo de hoje.
Cruz da Unidade Original, em Stuttgart

Breve histórico

A Cruz da Unidade foi originalmente concebida pela geração de Padres de Schoenstatt cujo ideal era "Unum in Sanguine" (unidos no Sangue de Cristo) durante aqueles anos difíceis em que o Pe. Kentenich estava exilado em Milwaukee, Wisconsin. Como escreve o Pe. Benjamin: "Nasceu em nós o desejo de dar um crucifixo a Bellavista, o lugar onde nasceu e se alimentou nossa vocação, que expressasse nossa imagem de Cristo sacerdote, assim como desejávamos vivê-la na Aliança de Amor com Maria e na experiência vivida de Cristo de nosso Fundador (Pe. Kentenich). Esse é o Cristo que, na força do Espírito Santo, está profunda e intimamente ligado como Filho ao Pai. É o Cristo que está profunda e intimamente ligado a Maria, sua Mãe, constituída como sua colaboradora e companheira permanente em sua missão redentora para a humanidade. É o Cristo da Unidade que une o céu e a terra; é o Cristo Bom Pastor que, refletindo o amor do Pai, une as pessoas a Deus e as pessoas entre si, tornando-as filhos do mesmo Pai." E foi assim que essa cruz foi forjada pelo Pe. Angél Vicente Cerró, artista e Padre de Schoenstatt. Foi colocada no Santuário de Bellavista pela primeira vez durante a missa da véspera de Natal de 1960 pelo Pe. Humberto Anwandter, o primeiro sacerdote ordenado naquela geração do Unum In Sanguine. No momento em que foi colocada ali, Deus também estava realizando um processo de vida paralelo ao mesmo tempo na Família de Schoenstatt local de Bellavista. Por razões que não abordarei aqui, uma divisão vinha crescendo há algum tempo, e muitos sentiam que ela estava se tornando intransponível. Diz-se que o processo de cura teve seu "início visível" naquele exato momento em que a Cruz da Unidade foi entronizada no Santuário de Bellavista. Nesse momento, o Pe. Kentenich ainda estava no exílio. Muitos grupos estavam trabalhando para trazê-lo de volta para casa, fazendo muitos esforços diplomáticos por meio de contatos em Roma e também oferecendo orações e sacrifícios. Cada comunidade estava oferecendo e rezando, esperando que o Fundador pudesse se reunir com o Movimento antes de morrer (ele tinha quase 80 anos a essa altura). Para o propósito desta breve história da Cruz da Unidade, uma dessas correntes de vida de oferta para o seu retorno estava dentro da comunidade das Senhoras de Schoenstatt na região de Stuttgart, na Alemanha. Essa corrente de vida tem agora o nome de "Paralelo Bellavista-Stuttgart" porque está ligada ao Santuário de Bellavista e sua Missão de 31 de maio de 1949, e ao Santuário de Stuttgart na Alemanha. As histórias dos Santuários de Bellavista e Stuttgart se desenvolveram de forma paralela. Como sinal de gratidão por todo esse oferecimento, o Pe. Kentenich entregou a Cruz da Unidade original ao Santuário de Stuttgart após o exílio, e é lá que ela está até hoje. Dessa forma, a Cruz da Unidade surgiu de uma história viva e, como tal, tem um profundo significado para aqueles que fizeram parte dessa história. Mas a criatividade de Deus não parou por aí! Finalmente, a primeira cópia foi feita em 1969, forjada pelos Irmãos de Maria, e enviada a Bellavista pelas Senhoras como um presente em troca, e mais tarde, mais cópias foram feitas. Assim, toda a Família de Schoenstatt passou a conhecê-la e amá-la como um símbolo de nossa espiritualidade. A Cruz da Unidade esteve especialmente presente durante o Jubileu de 2014 e foi conhecida como a "Cruz da Missão", uma vez que captura a missão de Schoenstatt de proclamar a Aliança de Amor com Maria como um caminho seguro para viver em união com Cristo. E a Cruz da Unidade continua a ser encontrada como um símbolo profundo mesmo fora de Schoenstatt. Madre Teresa adotou a Cruz da Unidade, descobrindo que, para ela, ela simbolizava seu próprio ideal comunitário de Cristo dizendo "Tenho sede" da Cruz, e "Como Maria, ficar ao lado da Cruz do Cristo Morto e encontrá-lo lá". (Citado no artigo da Aleteia com link acima). E, mais recentemente, Christopher West a adotou como uma imagem que representa a mensagem que ele dedica sua vida a compartilhar: A Teologia do Corpo de João Paulo II. Em uma recente reunião com os peregrinos de Schoenstatt na Jornada Mundial da Juventude, Christopher West usou a Cruz da Unidade como seu tema principal, explicando que a maneira como Maria recebe o sangue de Cristo no cálice, assim como Cristo dá sua vida por sua noiva - colaborando assim juntos na salvação do mundo - mostra o ideal pelo qual todos nós devemos lutar na complementaridade de homens e mulheres (parafraseado a partir de notas pessoais, não uma citação direta). E a história viva continua. Leia mais aqui sobre como a primeira réplica da Cruz da Unidade foi roubada de Bellavista em abril deste ano. Mesmo agora, a Família de Schoenstatt em Bellavista está discernindo como reconquistá-la.

A Cruz de Cristo no mundo de hoje

Então, o que a Cruz da Unidade pode dizer a você hoje, nesta Festa da Exaltação? Alguém me disse recentemente: "Esse é o crucifixo mais católico que já vi. Porque não apenas Jesus está lá, mas Maria também está lá!" Ele achava que o fato de acrescentar Maria tornava o crucifixo "mais católico", e acho que ele estava certo! O que isso nos diz? Simbolizando Jesus como o Cristo dos Vínculos, isso nos mostra que nunca estamos sozinhos em nosso sofrimento. Nem mesmo Jesus estava sozinho em Sua cruz! Seu Pai estava com Ele (Ele não clamou ao Pai da cruz?) e Sua Mãe Santíssima estava ao Seu lado: atenta ao Seu sofrimento, firme, unida a Ele. Certamente, o olhar firme dela Lhe deu coragem quando todos os Seus seguidores mais leais fugiram. Hoje em dia, em nosso mundo obcecado por obter prazer e evitar o sofrimento, podemos nos acostumar a carregar nossas cruzes isoladamente e evitar os outros quando estamos lutando. E, às vezes, resistimos ao próprio sofrimento em vez de permitir que Deus o use para nos transformar. Nós nos esquecemos de como sofrer bem. Mas Jesus nos deu um exemplo diferente! E Schoenstatt traz essa mensagem hoje para o mundo: Jesus e Maria andam juntos. Vemos isso refletido na "Oração Final" da Via Sacra do Instrumento, escrita pelo Pe. Kentenich em Dachau (que, a propósito, ele terminou de escrever em 13 de setembro de 1944, véspera da Festa da Exaltação da Cruz!) " Como sinal da Redenção, levarei aos povos a cruz e a imagem de Maria, para que jamais seja separado o que o plano de amor do Pai concebeu como unidade." É exatamente essa consciência e experiência vivida de não estarmos sozinhos em nossos sofrimentos que nos dá a coragem de abraçar a vida diária com Deus e passar pelo sofrimento com Ele. É isso que significa viver em Aliança com Maria e, por meio dela, com o Deus Uno e Trino. A oração continua: “Faze que eu vos leve aos povos, para conquistá-los e lutando, diariamente arrisque a vida por vós. Vosso Reino seja vitorioso em toda parte e amplie suas fronteiras até os confins do universo”. P. J. Kentenich Podemos nos atrever a entrar na batalha da vida - um dia de cada vez - porque nunca estamos sozinhos.

O mistério diário da morte e da ressurreição

Isso nos leva ao nosso último ponto de reflexão sobre a Cruz da Unidade para hoje: o mistério entrelaçado da crucificação e da ressurreição na vida de Jesus e em nossa própria vida diária unida a Ele. O Pe. Benjamin enfatiza o caráter simbólico da Cruz da Unidade em seu livro. Ele diz que "a forma como esse momento [da crucificação] é representado tem um forte caráter simbólico, até mesmo não histórico em vários aspectos, como a representação de Cristo vivo olhando para Sua Mãe com a ferida aberta em Seu lado, sendo que na narração bíblica diz que Seu lado foi perfurado após Sua morte". O que isso nos diz? Acho que nos convida a buscar o olhar de Cristo e a manter nossos olhos fixos Nele, como Maria sempre fez, para que, em meio às dificuldades, já possamos vislumbrar a esperança da ressurreição. A escuridão do mundo sempre vem acompanhada de desesperança, e a Luz de Cristo sempre traz esperança. Quando contemplamos a Cruz da Unidade, temos uma imagem impressionante da morte e da ressurreição ao mesmo tempo. Veja como a oração continua: “Quero mergulhar-te profundamente em meu alegre coração, dar-te constantemente todo o meu amor; em ti, ó Crucificado, e em tua Esposa, se apoie toda a esperança de minha vida” P. J. Kentenich Minha esperança se baseia em você...! Isso não significa que as trevas não sejam escuras ou que o sofrimento não seja difícil. Significa que Deus, o Pai, está por trás disso - da mesma forma que permitiu que Seu Filho carregasse a cruz - e que o Pai está sempre nos ajudando, elaborando Seu plano de amor nesse mesmo momento. Isso significa que Cristo já encontrou um caminho e quer nos dar esperança agora mesmo.
Foto por Pe. Cristóbal Asenjo, Padre de Schoenstatt
Você já pensou que é estranho concentrar-se tanto na Crucificação da Sexta-feira Santa quanto na esperança do Domingo de Páscoa? Às vezes, as pessoas se concentram demais na Crucificação e parecem se esquecer de como a história terminou. E, às vezes, as pessoas querem pensar apenas na Ressurreição, mas se esquecem de quanto custou, qual foi o caminho até ela. Para nós, católicos, as duas realidades sempre andam juntas. E se escutarmos esse mistério em nossa vida diária, poderemos caminhar com mais firmeza e segurança em direção à esperança de Cristo, apressando-nos, como Maria, a servir aos outros com amor, porque nossos corações estão firmes e seguros no plano de amor do Pai, mesmo que incluam a crucificação, porque sabemos que em breve surgirá a luz da Ressurreição de Cristo. Vou deixá-los com uma última citação para refletir, de uma mestra da contemplação da Cruz, Santa Teresa Benedita da Cruz. Talvez você a conheça melhor como Edith Stein. Seu nome carmelita significa: Teresa Abençoada pela Cruz. Deixarei sua história para outro dia, mas basta dizer que sua vida foi marcada pela Cruz e que ela compreendeu profundamente o mistério de ser uma filha alegre de Deus todos os dias e também de estar unida a Cristo em Sua Cruz. "...porque ser um com Cristo é a nossa santidade e tornar-se progressivamente um com Ele é a nossa felicidade na terra, o amor à cruz não contradiz de forma alguma o fato de ser um filho de Deus alegre. Ajudar Cristo a carregar sua cruz enche a pessoa de uma alegria forte e pura, e aqueles que podem e conseguem fazer isso, os construtores do reino de Deus, são os filhos mais autênticos de Deus. E assim, aqueles que têm predileção pelo caminho da cruz não negam de forma alguma que a Sexta-feira Santa já passou e que a obra da salvação foi realizada. Somente aqueles que são salvos, somente os filhos da graça, podem de fato ser portadores da cruz de Cristo. Somente em união com a Cabeça divina é que o sofrimento humano assume poder expiatório. Sofrer e ser feliz mesmo sofrendo, ter os pés na terra, andar pelos caminhos sujos e ásperos desta terra e, ainda assim, ser entronizado com Cristo à direita do Pai, rir e chorar com as crianças deste mundo e cantar incessantemente os louvores de Deus com os coros dos anjos - esta é a vida do cristão até que a manhã da eternidade surja." Santa Edith Stein, citada em seu Ensaio sobre a Festa de São João da Cruz (Teresa Benedita da Cruz). Para concluir, lembramos que a Mãe de Deus é quem mais entende esse mistério. Peçamos neste Dia da Festa da Exaltação da Cruz que ela interceda por nós por essa graça, para que nos aprofundemos um pouco mais no mistério da morte e ressurreição de Jesus, para que possamos viver em profunda intimidade com Ele - essa intimidade que é simbolicamente retratada na Cruz da Unidade. Rachel E Gardner Senhora de Schoenstatt Movimento de Schoenstatt de Austin, Texas, EUA