O despertador toca às 5h30 da manhã. Fico feliz quando consigo vincular meus primeiros pensamentos a Deus imediatamente. Ao fazer isso, também crio uma conexão que permite que minhas preocupações e as pessoas que carrego em meu coração sejam tocadas pela onipotência de Deus.

Indo para o trabalho

Meus alunos atuais têm entre 8 e 9 anos de idade. Eles têm planos para o futuro, têm talentos, têm fraquezas, têm necessidades.

Começamos nosso dia escolar em sala de aula com uma oração matinal. Se eu me esquecer, meus alunos me lembram. No momento, ainda sou o principal responsável pela oração. Minha turma atual tem muitos bons cantores desta vez. É por isso que muitas vezes cantamos a oração da manhã ou eu a formulo livremente e espero que meus alunos, com os quais estou trabalhando há quatro meses, logo tenham a coragem de liderar a oração da manhã na frente da classe.

A “harmonia entre a natureza e a graça” vive de experiências concretas.

O caminho até a vocação à vida consagrada

Meu desejo de me consagrar inteiramente a Deus e à Mãe foi naturalmente alimentado por muitas “pequenas fontes”. Mas houve também duas “Cataratas do Iguaçu” que foram, por assim dizer, intensas explosões de graça experimentadas pessoalmente. Quando eu tinha 13 anos, me preocupava muito com um pensamento. Eu não duvidava da existência de Deus, mas sim de sua vitalidade. As belas experiências da Bíblia eram impressionantes, mas, por que Deus não era tão visível e real hoje?

No entanto, é exatamente isso que ele é, como me mostrou de forma impressionante, especialmente em minhas peregrinações. Em sete anos, muitas vezes peregrinei sozinho, sem dinheiro e sem organizar acomodações com antecedência, em várias viagens pela Europa. A última delas foi com a Juventude Masculina de Schoenstatt da América do Sul. Saímos de Mendoza, Argentina, atravessando a Cordilheira dos Andes até Santiago do Chile; toda essa viagem levou cerca de 3.200 km. Naquela época, não existiam telefones celulares.

Minhas experiências naquele período são difíceis de descrever em palavras. Elas me levaram à certeza de que sim, Deus ainda pode ser experimentado hoje de forma tão vívida quanto na história da aliança de Israel e nas histórias bíblicas. A proximidade tangível com Ele durante a peregrinação foi tão estimulante que só havia uma conclusão lógica para mim: toda a minha vida deveria se tornar uma peregrinação, uma limpeza do centro para Deus.

Como eu sentia um forte chamado para ser professor primário e essa atividade profissional deveria ser meu trabalho pastoral, no qual eu queria estar presente para os outros, a fim de levar a graça de Deus ao encontro deles, meu caminho me levou ao Instituto dos Irmãos de Maria de Schoenstatt.

Ao fim do dia

Geralmente, saio da escola por volta das 18 horas. Depois disso, vou direto para a Santa Missa e, às vezes, faço as compras no caminho para casa. A cozinha, então, geralmente se baseia no que é rápido e fácil de preparar.

As crianças da escola primária geralmente têm sua própria visão das coisas. Mais cedo ou mais tarde, meus alunos me perguntam sobre o anel que uso no dedo desde a minha consagração perpétua. Costumo dizer a eles que sou “casado” com Deus. As reações dos alunos variam muito, mas são sempre espontaneamente diretas.

Nossas ideias sobre Deus atingem repetidamente seus limites. Deus é completamente diferente e não se ajusta à imagem que temos dEle. E, ao mesmo tempo, ele é como o Pai do céu, que cuida de mim, seu filho profundamente amado, de uma forma muito tocante. Esses pensamentos fluem para a oração da noite, durante a qual muitas vezes simplesmente me sento em frente ao meu Santuário Lar, reflito em silêncio sobre o dia e coloco minhas intenções e experiências nas mãos misericordiosas de Deus.